Por que o meu pedido de empréstimo não é aprovado?

Por mais que os empréstimos sejam algo de fácil acesso no Brasil, nem todos conseguem acesso à linha de crédito. Pode ser tanto os empréstimos pessoais, quanto financiamentos.

Mas quais são os principais motivos para a minha solicitação de empréstimo ser recusado?

Falta de documentos

A falta de documentos pode ser um dos motivos para o seu empréstimo não ser liberado! Na verdade, acredito que já no início do processo de solicitação de empréstimo, se o cliente não levar todos os documentos necessários, nem sua solicitação será aceita.

Caso o cliente tente mesmo assim, é bem provável que o empréstimo ainda sim, não seja liberador. Observado isso, o importante é entrar em contato com a instituição financeira antes de solicitar o empréstimo, e pedir uma lista de quais são os documentos necessários.

Dentre eles, é provável que seja solicitado, um comprovante de renda, comprovante de endereço, o número da conta bancária, além, é claro, dos documentos de identificação, como RG e o CPF.

É possível que outros documentos sejam solicitados dentre eles a declaração e imposto de renda.

Pode acontecer que no comprovante de renda (que nesse caso seria o recibo da folha de pagamento) esteja descrito que a pessoa tenha menos de 6 meses de trabalho, ou algo do gênero.

Desse modo quando o banco identificar que o cliente possui pouco tempo de trabalho na empresa, a solicitação seja recusada.

Geralmente os bancos e demais instituições financeiras pedem, no mínimo, mais de 6 ou até 1 ano de trabalho na mesma empresa.

Ainda assim, caso o cliente tenha trocado de empresa, mas permanecido trabalhando durante todo o período, é possível que a solicitação de empréstimo seja aceita. Porém o cliente deve levar documentos que possam comprovar isso, uma vez que o recibo de pagamento da atual empresa, só vai demonstrar a data de efetivação na empresa, e não o histórico da pessoa.

Cliente que não tenha comprovação de renda

Pode parecer uma situação um tanto quanto esquisita, mas pessoas que não tenham como comprovar a renda também precisam de empréstimos!

Dependendo da situação financeira, todas as pessoas podem se vê na iminência de recorrer a empréstimos.

Mas é bem difícil encontrar qualquer instituição financeira que libera linhas de crédito para clientes que não tenham comprovação de renda.

Talvez, se o cliente oferecer algum tipo de garantia, o empréstimo possa ser liberado. Mas em modo geral, é bem difícil.

Estagiários, ou pessoas que trabalham como autônomos podem encontrar sérias dificuldades em conseguir acesso a linhas de crédito.

Os estagiários, por receberem uma espécie de recibo de pagamento (mas não o recibo de salário devidamente regularizado) acabam não conseguindo a linha de crédito, e muitas vezes nem conseguem a oportunidade de tentar.

Já os autônomos podem ter dificuldades na hora de comprovar a renda sem um documento. O que acontece nesses casos, é que a instituição financeira vai solicitar ao menos a declaração de imposto de renda.

Porém nem todos os autônomos fazem a declaração da forma correta. Muitas vezes pode ser pelo desconhecimento. Sendo assim,  os autônomos acabam não tendo um documento comprobatório.

Cliente negativado

Infelizmente, quando uma pessoa está endividada, aumentar a dívida é algo muito mais fácil do que conseguir quitar a mesma.

Por isso, ao identificar que a situação financeira não é boa, a pessoa deve começar a analisar seus gastos. O primeiro passo é identificar os gastos.

Querendo ou não, quando a pessoa chega ao ponto de recorrer a empréstimos, os únicos gastos que devem continuar são os vinculados a coisas essenciais, como comida, luz, telefone, e outros similares.

Gatos vinculados a saídas, diversão, e outros que podemos colocar como supérfluos devem ser reduzidos ou até excluídos.

O corte deve ser radical, uma vez que se os mesmo continuarem é provável que pessoa continue precisando de capital de terceiros para conseguir se financiar.

Observando isso, o mais importante, na hora de captar recursos negativado, é quitar as obrigações que estão deixando você nessa situação.

Ou seja, a pessoa deve captar recursos (valor suficiente) para pagar as dívidas que estão em aberto (aquelas que possuem os pagamentos em atraso, por exemplo).

Assim, o cliente pode solicitar que a instituição credora retire seu nome do Serasa, ou instituição que está negativando o mesmo.

Desse modo, a pessoa pode negociar com outras instituições, ou até a mesma que liberou o crédito, para trocar de linha de crédito, ou até mesmo pegar uma nova, com juros menores.

É bem provável que o empréstimo liberado quando o cliente estava negativado, tenha juros bem altos.

Portanto é sensato, após o pagamento do empréstimo, procurar por outra linha de crédito com um juro menor.

Resumindo, estar negativado, com certeza é um fato que afasta o cliente de novos empréstimos. Poucas instituições financeiras liberam crédito para pessoas negativadas. Sendo assim, quando conseguir o empréstimo, tente o quanto antes quitar suas obrigações que estavam em atraso, e solicite a exclusão do nome da lista de negativados. Desse modo, o cliente estará apto a conseguir outros empréstimos no mercado!

Valores além dos limites

Às vezes pode ocorrer do empréstimo solicitado não seja liberado devido aos valores. Por exemplo; o cliente precisa de um empréstimo com um valor que excede o seu limite no banco.

Aqui podemos incluir os financiamentos também. Uma vez que os financiamentos, geralmente cobrem investimentos bem altos, acima dos R$ 100.000,00 (no caso de residências, apartamentos, e demais imóveis).

Caso a renda da pessoa não chegue até um determinado valor, ou se a instituição financeira, em sua pesquisa, descobrir que já existem outros empréstimos, ou financiamentos no nome do cliente, é possível que o empréstimo não seja liberado.

Observando tudo isso, a melhor coisa a se fazer é uma análise geral das finanças pessoais. Descobrindo quanto tempo falta para o término de tais empréstimos, e qual é o grau de necessidade para captar mais recursos.

Os empréstimos, financiamentos e demais linhas de crédito, pode nos ajudar a alcançar alguns sonhos, porém eles vêm acompanhados de encargos e juros. Analisando isso, o cliente deve identificar se realmente existe tal necessidade para captar recursos, ou se não é melhor poupar, investir e aí sim, comprar.

Posso solicitar um empréstimo se estou negativado?

Pode sim, existem diversas instituições financeiras que oferecem a possibilidade de captar recursos mesmo quando o cliente está negativado.

Geralmente essas instituições são consideradas de pequeno porte. Ou seja, o cliente vai encontrar mais dificuldades em encontrar um grande banco ou alguma agência maior que ofereça essa possibilidade, sendo que os encargos e os juros podem ser maiores!

Os juros são mais altos

Provavelmente serão. A pessoa deve imaginar que emprestar dinheiro para alguém que esteja negativado sempre será um risco maior para a instituição que está emprestando.

Se coloque no lugar, imagina que é você que está emprestando dinheiro para uma pessoa negativada, pois é, desse modo é normal que a taxa de juro cobrada em uma operação assim seja mais alta.

Mas antes de dar  continuidade ao artigo, o leitor compreende o que é ser negativado?

O que é ser negativado?

Uma pessoa pode ser negativada quando deixa de cumprir  com suas obrigações referentes a pagamentos e afins. Basicamente e isso.

Os motivos para alguém deixar de pagar algo são inúmeros. Desde o descontrole financeiro até uma causa mais nobre. Mesmo tendo reservas, às vezes encontramos grandes dificuldades financeiras. Uma doença ou despesas com o carro, quem sabe  com a casa.

Esse tipo de coisa pode acontecer com qualquer um, sendo assim, todos nós precisamos ficar atento às finanças.

Pois bem, vamos supor que o telhado da casa de uma pessoa tenha sofrido avarias decorrentes de um temporal. Sendo que a pessoa em questão não possui seguro. Os gastos para o reparo deverão ocorrer.

Dependendo da casa e do telhado, o gasto pode ser muito alto. Gasto que vai exigir a aquisição de uma linha de crédito.

Todos nós sabemos que todos possuem gastos mensais. Sendo que boa parte desses gastos podem incluir financiamento de uma casa ou quem sabe do carro.

Observando isso não sobraria muita margem para o pagamento das parcelas de um empréstimo. Mas como a casa pode acabar sofrendo um desgaste maior com as telhas danificadas, o proprietário acaba tomando o crédito.

Sendo assim o proprietário da residência inicia as obras, que geralmente não possuem um valor fixo. Ou seja, é praticamente impossível antever o valor total de uma obra. Observando isso, as contas que já estavam apertadas começam a ficar ainda mais comprometidas.

Nessas situações, a inadimplência ocorre. E desse modo, as empresas ou pessoas que são nossas credoras acabam colocando o nosso nome no Serasa ou em outra instituição de avaliação de crédito, negativando o nosso nome.

Mesmo em uma situação de extrema emergência, esse tipo de coisa pode ocorrer. Mas como podemos solucionar tal incômodo?

Quitando as dívidas!

Primeiro, antes de qualquer coisa, o negativo deve tentar captar recursos para quitar as suas dívidas que estão em inadimplência.

Assim a empresa que lhe negativou, pode retirar o seu nome da lista. Desse modo até um novo empréstimo pode acontecer.

Ainda mais quando trabalhamos com linhas de crédito para negativados, tais linhas podem cobrar juros bem altos.

Observando isso, o cliente deve tentar limpar o seu nome, e depois trabalhar para tentar reduzir os encargos do empréstimo, com alguma linha de melhor qualidade.

Caso a pessoa tenha um trabalho, é possível conseguir um empréstimo consignado com alguma instituição. O consignado é um dos empréstimos mais em conta do mercado.

O banco vai deduzir do seu salário o valor da parcela do empréstimo, É como se o seu salário funcionasse de garantia para o empréstimo.

Desse modo o banco se assegura que será pago, e o cliente nem precisa se preocupar em pagar o empréstimo.

Enfim, o mais importante, na hora de conseguir um empréstimo negativado, é quitar as obrigações que estão inadimplentes.

Desse modo, a pessoa conseguirá ter o nome limpo na praça, e poderá adquirir novas linhas de crédito com o juro menor.

Evite ficar inadimplente!

Por fim, devo ressaltar a importância de manter todas as suas obrigações em dia! E se possível, evitar ficar devendo na praça!

Atualmente existem várias coisas que podem acabar comprometendo nossas finanças. Desde o financiando do carro, ou da casa até o cartão de crédito.

Antes de começar a fazer financiamentos, ou de comprometer parte da renda com algum gasto e até investimento, a pessoa deve avaliar suas condições de “caixa” e principalmente, de renda!

Se uma pessoa possui um gasto de R$ 2.000,00, mas gasta todos os meses R$ 2.000,00, essa pessoa nunca vai conseguir poupar nada.

Sendo que, se os gastos aumentarem um pouco que seja, é provável que a mesma venha a precisar de um empréstimo logo-logo.

Antevendo tal situação, é provável que a mesma não tenha capacidade de pagar as parcelas, uma vez que os gastos que eram do mesmo valor das receitas, agora vão ficar ainda maiores.

O que estou tentando dizer com tudo isso? É importante manter gastos menores do que as receitas. Tente reduzir os gastos aos poucos, mas tente!

Um dia você vai precisar de mais dinheiro do que costuma receber, e caso tenha um reserva, esse tipo de situação, de necessidade de captar recursos com bancos e demais instituições financeiras não ira acontecer tão facilmente.

Agora se a pessoa continuar gastando muito, então é possível que situações como as que descrevemos possam acontecer.

Tente montar alguma meta, e estabeleça algum valor para guardar mensalmente. Pode ser uns 10% do salário ou até menos do que isso.

Essa poupança continua, vai ajudar bastante a pessoa em momentos em que as despesas vão superar a renda mensal.

Investido esse dinheiro em algumas aplicações seguras e com liquidez diária, a pessoa vai contar com segurança e rentabilidade.

Desse modo aquele valor pequeno com o tempo vai começar a aumentar!

Então, é possível captar recursos mesmo negativado?

Sim! Com certeza é possível! Existem várias instituições que fazem até propaganda chamando atenção para esse detalhe (empréstimo para negativados), porém os encargos e o juro cobrado podem ser altos!

Observando isso, o mais recomendável é captar os recursos e logo em seguida avaliar com outra instituição, alguma linha de crédito com juros menores. Desse modo a pessoa pode limpar o nome, quitar o empréstimo e ficar com um que tenha juro menor!

¿Quando solicitar empréstimo pessoal?

Quando não houver mais alternativas! Aí sim, a pessoa deve procurar por um empréstimo. O empréstimo, ou qualquer tipo de linha de crédito deve ser evitado. A todo custo!

O empréstimo no Brasil é algo muito caro. Basicamente, os encargos cobrados em cima de qualquer linha de crédito são enormes.

Spread bancário

O principal vilão aqui é o spread bancário. O Spread bancário nada mais é do que a diferença entre os rendimentos oferecidos pelos bancos através dos produtos financeiros, como poupança, CDB entre outros ativos e os juros cobrados de outros produtos financeiros, como empréstimos, financiamentos, cheque especial, entre outros.

Essa diferença é chamada de spread bancário, e aqui no Brasil é muito alta. Não é a toa que uma das principais receitas dos bancos vem da linha de crédito. Sem dúvidas os bancos faturam bastante no Brasil!

Por exemplo, enquanto uma pessoa recebe algo em torno de 4% ao ano em uma poupança, o banco pode chegar a oferecer uma linha de crédito, cobrando de juros, algo em torno dos 6% ao mês!

A diferença é brutal! Anualizando a taxa do empréstimo, o ganho do banco poderia chegar facilmente na casa dos 70%! Enquanto o custo de capital não chega aos 5%.

Identificando motivos para adquirir um empréstimo

Um dos principais motivos é a falta de capital. Nada mais básico do que isso. Quando não se tem mais recursos, e continua havendo contas para pagar, o cidadão deve analisar quais são as implicações ao deixar alguma conta em aberto.

Por exemplo, as contas de luz, água e telefone, podem acabar provocando a interrupção dos serviços. Ou seja, essas duas contas, tecnicamente, não podem deixar de serem pagas.

Já pensou ficar sem luz ou água? Aí fica muito difícil, correto? O telefone ainda vai, uma vez que a pessoa pode evitar usar o telefone, e depois ir negociando junto à operadora de telefonia uma forma para quitas as dívidas e assim restabelecer os serviços.

Outra conta que não podem ser deixadas em aberto está relacionada a gastos com coisas essenciais, como remédios, e comida.

A pessoa também não precisa almoçar todos os dias em um restaurante ou algo do gênero. Se os gastos estão ficando alto, e a pessoa acaba frequentando  bastante um restaurante, então é hora de avaliar suas prioridades. Desse modo o cidadão pode começar a preparar o próprio almoço, ou escolher um restaurante mais em conta.

As demais despesas podem ser evitadas ou a pessoa pode escolher outras opções a fim de reduzir os gastos.

Bom, depois de todo esse estudo, se ainda falta dinheiro, então a pessoa vai precisar captar recursos de alguma forma.

Evite o cheque especial!

Muitas vezes, as pessoas acabam não se dando conta do tamanho do problema, e acabam não controlando as finanças.

Ou seja, quando o negócio já está indo por água abaixo, a conta já está no vermelho. Ficando no vermelho, ou sem saldo, é possível que os próximos débitos acabem utilizando o cheque especial.

O juro do cheque especial é um dos mais altos, junto com o valor das parcelas do cartão de crédito (quando digo parcelas do cartão de crédito, estou referindo a modalidade de pagamento da fatura em parcelas).

Portanto, é aconselhável que os clientes dos bancos, fujam do cheque especial e do parcelamento, ou pagamento mínimo do cartão.

Ao invés de cair nessas formas de crédito, o cliente deve procurar por algum empréstimo pessoal. Portanto a estratégia é a seguinte. Percebendo que não haverá como quitar suas obrigações, o cliente deve procurar por alguma instituição financeira que ofereça algum tipo de linha de crédito “barata”.

Não fique dependendo somente o do seu banco para isso. Procure empréstimos em outros bancos, inclusive nos menores, uma vez que as taxas dessas instituições costumam serem menores.

Outra coisa, isso é bastante importante! Tome a iniciativa com rapidez evitando pagar as parcelas do cartão, ou até mesmo o cheque especial, por mais que o valor seja pequeno, a quantidade de juro que rola em cima do valor emprestado pode ser alta.

Sendo assim, é importante agir rápido quando perceber que não haverá como pagar as coisas sem a captação de recursos.

Não procure por linhas de crédito para financiar carros ou até casas!

Praticamente todo o brasileiro possui o sonho de ter um carro ou conseguir a casa própria. Esse sonho muitas vezes pode acabar sendo um pesadelo.

As pessoas que compram um carro novo acabam precisando fazer o seguro do mesmo. Sendo que nem sempre essas pessoas possuem condições financeiras similares ao valor do veículo.

O que estou tentando dizer é que o veículo acaba se tornando algo de custo muito elevado em comparação às próprias condições financeiras da pessoa.

Sendo assim, nada mais natural do que avaliar bem tal condição, tentando ao invés de comprar um carro novo, dar preferência a um usado. Sendo que o mesmo deve ter um valor que seja relativamente similar à condição financeira da pessoa.  Assim o cidadão pode comprar o mesmo sem necessidade de financiar, comprando o veículo à vista.

Já com relação a casa, é possível dar preferência a uma residência ou apartamento alugado enquanto não há como comprar a vista o imóvel.

Sim, pode parecer algo extremamente complicado, ou praticamente impossível, mas é possível comprar um imóvel a vista.

Poupando e investindo parte de sua renda mansamente, um casal pode conseguir comprar o seu imóvel de uma só vez, sem necessidade de recorrer ao financiamento dos programas habitacionais do governo federal.

Portanto, eu posso dizer que o empréstimo só deve ser procurado em situações onde a pessoa não consiga encontrar uma solução para  cumprir com suas obrigações. E mesmo assim, a pessoa ainda deve analisar quais são as condições de pagamento dessas obrigações (observando se existe alguma alternativa de parcelamento, ou quem sabe de postergar o pagamento, a fim de evitar o pagamento de juros do empréstimo).

Se mesmo estudando todas essas possibilidades, a pessoa não encontrar nenhuma alternativa então procure por uma instituição que ofereça uma linha de crédito mais em conta. Evite os altos custos dos empréstimos!

Solicitação de Empréstimo no Brasil

Qualquer tipo de linha de crédito no Brasil deve ser muito bem analisado antes de ser adquirida. O empréstimo em terra tupiniquim é algo relativamente fácil de ser adquirido.

Os bancos são as instituições financeiras que mais trabalham com esse tipo de produto, porém, no Brasil, outras empresas vêm expandindo os negócios para área de empréstimos e linha de crédito.

Temos várias empresas que trabalham com o varejo (venda de produtos e serviços) que também disponibilizam aos seus clientes linhas de crédito.

Um dos incentivos que tais empresas vêm para esse negócio está relacionado com os ganhos obtidos através dos empréstimos.

Se o dinheiro parado em contas bancárias, e inclusive aplicado em ativos financeiros não oferece tanta rentabilidade, o dinheiro emprestado pode gerar ganhos na casa dos 6% ao mês, ou até mais!

Mas, e para a pessoa física que precisa de um dinheiro? Como fica? Qual é o lugar que devo procurar primeiro?

Pesquisando linhas de crédito

O empréstimo deve ser muito bem avaliado antes de ser adquirido. A pessoa deve ter consciência que as causas para aquisição do empréstimo não podem se repetir. O empréstimo é algo muito caro, e pode gerar grandes problemas se não quitado. Mesmo os empréstimos envolvendo quantias pequenas, podem acabar se tornando grandes pesadelos!

Enfim, chegando  à conclusão que a pessoa vai precisar de um empréstimo, as primeiras coisas que deve ser avaliada são:

  • O valor do empréstimo
  • Condições de pagamento
  • Taxa de juro e demais encargos

Essas três características da linha de crédito devem ser bem analisadas antes de efetuar o empréstimo.

Mas por onde devo começar a pesquisar? Primeiro, a pessoa deve avaliar se existem condições de colocar algum ativo como garantia.

Inclusive a própria renda pode entrar nessa. O consignado é uma das formas de adquirir um empréstimo mais em conta.

Se o crédito pessoal sem garantia já trabalha com uma taxa de juro na casa dos 6% ao mês, o consignado consegui baixar essa taxa de juro para a casa dos 2% ou até menos!

Se o cliente conseguir colocar algum bem como garantia, por exemplo, a casa ou de repente o carro, a taxa de juro pode ficar inferior aos 6% do empréstimo normal. Sendo que é possível que a taxa de juro possa ficar em 3% ou algo próximo.

O consignado, sem dúvidas, é um dos tipos de empréstimos com as taxas mais baixas do mercado.

Depois temos os empréstimos com garantia. Quando a garantia é um bem, a taxa aplicada sobre o valor do crédito é inferior à média do mercado.

Porém não são todos os bancos que oferecem esse tipo de crédito. Geralmente os grandes bancos, não trabalham muito com esse tipo de empréstimo.

Sendo assim, o interessado deve procurar por instituições menores. As pequenas instituições financeiras geralmente trabalham com diferentes tipos de créditos, a fim de conseguir aumentar a carteira de clientes.

Fazendo essa pesquisa à pessoa vai conseguir avaliar quais são os melhores lugares para conseguir o tão desejado empréstimo.

Condições do empréstimo no Brasil

As condições para aquisição e pagamento do empréstimo também é algo relevante na hora de analisar as linhas de crédito.

Por mais que o empréstimo possa ter uma taxa de juro inferior a média do mercado, se as condições para pagamento não forem interessantes, todo o negócio pode ir por água abaixo.

Uma das principais condições para aquisição da linha de crédito está relacionado as parcelas do empréstimo.

Muitas vezes os empréstimos não são referentes  a valores pequenos. Geralmente os empréstimos acontecem a partir dos mil reais para mais.

Por isso a instituição financeira deve oferecer produtos com a possibilidade de parcelas mais vezes. E sem falar que tal empréstimo deve contar com a possibilidade de redução dos juros em caso de adiantamento das parcelas.

Dessa forma, caso o cliente tenha disponibilidade para adiantar algumas parcelas, ou até quitar o empréstimo de uma só vez, o banco, por sua vez, realizar o desconto do juro sobre o saldo a pagar.

Assim o negócio fica bom para o cliente, que não vai precisar arcar com todo o juro do empréstimo, e bom para a instituição financeira, que vai receber o valor antes do prazo.

Existe até a questão do débito em conta. Caso o cliente cadastre a sua conta, para receber os débitos das parcelas do empréstimo, é possível que uma redução (pequena) sobre a taxa de juro da linha de crédito ocorra.

Ao menos, isso é mais uma forma de tentar baratear o empréstimo.

O valor do empréstimo

Começamos de trás para frente nesse artigo! Vamos lá, o valor do empréstimo é algo bem importante.

Valores pequenos, inferiores aos R$ 1.000,00 podem ser quitados de forma mais rápida, e não vão causar tanto prejuízo ao cliente.

Por exemplo, mesmo sabendo que a taxa de juro de 6% ao mês é oferecida para linhas de crédito inferiores aos mil reais e quantias superiores, aquele que pegar um empréstimo de mil reais não vai pagar tanto juro quanto alguém que adquirir um empréstimo de 5 mil reais, ou valores superiores.

Por isso, quanto maior for o valor, mais a pessoa deve analisar antes de adquirir o empréstimo. Como mencionamos no início do artigo, existem diversas instituições que estão trabalhando com empréstimo agora.

Cada instituição possui seus próprios produtos, e desse modo, cada produto tem suas respectivas características. Portanto cabe ao cliente avaliar qual é a melhor linha de crédito possível.

Mantenha uma boa relação com os bancos e o mercado em si

Outra coisa que pode facilitar bastante à vida da pessoa que está interessada em captar um empréstimo na praça é a ficha limpa!

Manter uma reputação de bom pagador vale bastante. Ainda mais quando essa reputação é de longo tempo.

Desse modo os bancos, quando fizerem as pesquisas de crédito, a procura de algum problema com o CPF do cliente, não vão achar nada. Aliás, vão encontrar uma pessoa que paga tudo em dia, e não possui débitos pendentes.

Isso é um excelente sinal para o banco. É possível que a instituição financeira até reduza o valor do juro em cima do seu empréstimo!

Solicitar empréstimo pessoal online será que vale a pena?

A questão do empréstimo em si é algo que deve ser bem analisado. Quando a pessoa chega ao ponto de solicitar um empréstimo é porque as coisas não estão assim tão boas.

Mesmo quando é um financiamento para aquisição de uma casa ou carro. O empréstimo é uma forma de conseguir as coisas de maneira mais rápida. Em troca dessa “agilidade” a pessoa acaba arcando com os juros. Por isso a pessoa deve estudar bem a necessidade de captar recursos por meio de empréstimos e financiamentos.

Com relação ao empréstimo pessoal, os valores captados por essa forma de empréstimo geralmente não é muito alto.

Aliás, tudo isso vai depender da relação que o cliente possui com a instituição financeira. Mas na grande parte das vezes, os valores liberados pelo empréstimo pessoal não é tão alto assim.

O empréstimo pessoal serve como uma forma de linha de crédito para o curto prazo, ou para solucionar problemas pontuais.

Por exemplo, os gastos efetuados com alguma emergência. Muitas pessoas acabam utilizando todo o valor da renda para se manter mensalmente. Desse modo não há nenhuma sobra, ou quantias que possam ser investidas e mantidas em alguma reserva.

Observando isso, qualquer tipo de emergência pode acabar levando o cliente a cair no cheque especial. Antes de cair no cheque especial, o interessante é fazer uma simulação de empréstimo pessoal.

Desse modo o cliente vai saber com detalhes quais serão as taxas cobradas, e em quantas parcelas poderá pagar o empréstimo.

Em comparação com o cheque especial, o empréstimo pessoal é bem mais “barato”, por isso o cliente deve recorrer a ele antes de zerar o saldo na conta corrente.

Mas é bom adquirir o empréstimo pessoal  por meio da plataforma online?

Sim! Existem diversas vantagens em adquirir o empréstimo pessoal online, a primeira delas é a comodidade.

Sem dúvidas, uma das coisas que podem mais incomodar qualquer pessoa que é cliente de um grande banco é o atendimento nas agências.

Muitas vezes existe uma grande demora no atendimento, coisa que pode acabar comprometendo outros compromissos dos clientes.

Por isso, a plataforma online surgiu para agilizar esse tipo de atendimento.  A outra vantagem de solicitar o empréstimo pessoal online é a agilidade do processo.

Para conseguir o empréstimo pessoal o cliente vai precisar ter um valor pré-aprovado junto a administradora do cartão. Portanto em questão de alguns cliques o cliente já vai contar com o seu empréstimo na sua conta.

Posteriormente o cliente pode ir controlando os seus pagamentos ficando de olho no saldo a pagar do empréstimo.

Solicitar o empréstimo pessoal na agência.

Acredito que uma das vantagens de solicitar o empréstimo pessoal na agência, é a barganha. Teoricamente os gerentes dos bancos possuem metas para serem cumpridas.

Ou seja, é provável que o gerente precise vender certa quantidade de empréstimos mensalmente, da mesma forma que ocorre com financiamentos, produtos de investimentos e capitalização.

Enfim, observando isso, o cliente poderia ir até a agência tentar negociar com o gerente um desconto no juro, ou algum valor mais interessante.

Às vezes no aperto nós não pensamos muito. Assim acabamos fechando o negócio antes de mesmo de avaliar a taxa de juro cobrada pelo banco.

Querendo ou não, uma taxa de 6% ao mês, é algo muito alto. Dentro de um ano, o cliente vai desembolsar mais de 70% do valor adquirido em juros!

O pior é quando a pessoal tenta diluir o valor das parcelas em mais vezes. Ou seja, se antes, com um empréstimo para ser quitado em 12 meses, o cliente já desembolsaria mais de 70% em juros, em mais anos, como de repente 2 ou 3 anos, o cliente pode acabar desembolsando mais de 200% em juros!

Isso dá praticamente mais de 2 vezes o valor adquirido no empréstimo pessoal! Por isso é importante avaliar as condições do empréstimo, e tentar reduzir a taxa de juro cobrada.

Cada 1% a menos na taxa de juro, pode significar uma grande redução nos encargos referentes ao juro!

Outra vantagem se solicitar o empréstimo na agência está relacionado a diferentes produtos de crédito. Os grandes bancos não possuem tanta diversidade nesse tipo de crédito, porém os bancos menores possuem.

Temos modalidades do tipo consignado e até com garantias. Esses dois tipos de empréstimos podem reduzir bastante a taxa de juro cobrada!

Na modalidade de empréstimo consignado, o cliente terá descontado em sua folha de pagamento o valor das parcelas.

Ou seja, haverá um desconto no seu pagamento ou na sua aposentadoria. Desse modo o banco consegue se garantir que vai receber os valores referentes ao empréstimo.

A redução da taxa de juro é substancial E pode chegar facilmente a uma taxa de 2% ao mês ou até menos.

Ainda mais agora que temos uma taxa de juro abaixo dos 7% ao ano. Com relação às linhas de crédito que oferecem a possibilidade de vincular uma garantia ao empréstimo, o cliente também pode contar com uma boa redução nos encargos.

Os grandes bancos dificilmente oferecem alguma linha de crédito assim, com garantia. Já os bancos menores e cooperativas de crédito trabalham com esse tipo de empréstimo.

A redução pode ser substancial também. Mas acredito que não será tão bom quanto do empréstimo consignado.

O consignado envolve praticamente, como garantia, parte de sua renda. Enquanto o empréstimo com garantia envolve entrega do bem em caso de inadimplência.

Enfim, vale a pena?

Sim. Se você é pego de surpresa em alguma situação de emergência, o empréstimo pessoal online é uma das formas mais eficazes de conseguir crédito.

Sem falar que o cliente pode inclusive conseguir o empréstimo pessoal através do aplicativo do banco em seu celular.

Mais comodidade do que isso é difícil. Ao invés de recorrer ao cheque especial, à pessoa deve analisar as condições para conseguir o empréstimo.

Mesmo se o juro for muito alto, o cliente pode procurar por outros bancos, e avaliar as condições fornecidas pelos mesmos.

Bancos digitais, como o Banco Sofisa ou Intermedium oferecem linhas de créditos mais em conta (comparados aos grandes bancos). Sem falar que tais bancos também possuem isenção nas taxas de TED e anuidades.

Solicite seu empréstimo pessoal instantaneamente.

Empréstimo pessoal para pessoa física é uma das coisas mais fáceis de conseguir! Com certeza, o que os bancos mais gostam de fazer é a liberação de crédito para pessoa física.

O juro cobrado no Brasil é muito alto, sendo uma das grandes fontes de renda dos bancos. Mas para conseguir acesso ao empréstimo pessoal, a pessoa vai precisar, ao menos, comprovar sua renda além de manter um bom histórico como pagador.

Os clientes dos grandes bancos no Brasil vão ter acesso ao crédito pessoal já nas primeiras páginas do Banking-line, por exemplo.

Quase todo banco separa os serviços prestados pela instituição em diferentes departamentos. Os empréstimos pessoais, geralmente, ficam na parte de crédito.

Lá será possível acessar o empréstimo pessoal entre outras linhas de crédito. Inclusive, através-do banking-line a pessoa consegue acessar o status do seu empréstimo e outras funções.

Mas como funciona a solicitação do empréstimo?

O empréstimo pessoal pode ser solicitado de forma bem fácil e tranquila através da plataforma de banking-line.

Hoje é bem difícil encontrar um banco que não ofereça uma plataforma online. Principalmente os grandes bancos.

Em qualquer instituição, a mesma, só vai oferecer a linha de crédito pessoal, quando o cliente realizar a comprovação de renda.

Mediante a comprovação de renda, uma das primeiras linhas de crédito será liberada, que é o cheque especial.

Dentro todas as linhas de crédito disponíveis nos bancos, o cheque especial é uma das mais caras.

Junto com o cheque especial, temos o juro do parcelamento da fatura do cartão de crédito. Aqui temos duas linhas de crédito que são extremamente caras.

Bom, voltando ao cheque especial. Quando o cliente faz a comprovação de renda junto ao banco, o mesmo vai liberar o cheque especial e a possibilidade de crédito pré-aprovado.

Ou seja, o cliente vai conseguir acesso a  algumas linhas de crédito com aprovação praticamente imediata. Dentre elas temos o empréstimo pessoal.

Muitas vezes o limite do valor do empréstimo acaba ficando dentro da média de renda do cliente.

Com o passar do tempo, se o cliente se mostrar um bom cliente, pagando as faturas e se mantendo em dia com as obrigações (com o nome limpo na praça), o valor do juro do empréstimo pessoal pode ir sendo reduzido.

Além do juro, o limite do crédito pré-aprovado também pode ir aumentando. Da mesma forma que o cheque especial pode aumentar também.

No final as contas, os valores liberados para o cheque especial, empréstimo pessoal e demais linhas de crédito vão depender bastante do relacionamento do cliente com o banco, e do seu histórico na praça.

O empréstimo pessoal pode ser adquirido com bastante facilidade. O cheque especial é, mas fácil. Basta o cliente não ter mais dinheiro na conta, que o cheque especial será acionado para cobrir eventuais gastos.

A sua conta ficará negativa, mas o valor que ultrapassar o seu saldo, será compensado pelo cheque especial.

A partir desse momento, haverá cobrança de juro e inclusive o IOF. Por isso, fique esperto e evite ao máximo utilizar essa linha de crédito.

Como já mencionamos anteriormente, o cheque especial é uma das linhas de crédito mais caras em comparação com outras disponíveis nas instituições financeiras.

Mas caso o cliente acabe caindo no cheque especial, o interessante seria recorrer a um empréstimo pessoal e pagar o valor do que especial.

Desse modo, a sua conta não estará mais no vermelho, e você vai ficar com um empréstimo a pagar.

Os empréstimos pessoais possuem uma taxa de juro mais interessante em comparação com o cheque especial.

É possível conseguir linhas de crédito com uma taxa de juro de 6% ao mês. Coisa de mais de 70% ao ano! Sem dúvidas essa taxa ainda não é parecida com a taxa Selic, porém, comparado com o que existe no mercado, é uma taxa interessante.

Mas então, como eu faço para conseguir adquirir essa linha de crédito. O empréstimo pessoal pode ser adquirido na área de empréstimos e crédito do sua plataforma online do banco.

Acessando na plataforma online, a pessoa pode fazer até uma simulação. Essa simulação vai mostrar o valor solicitado, e o valor das parcelas.

Então valores que vão demorar mais tempo para serem pagos, podem, gerar mais custos relacionados à taxa de juro e demais encargos.

Já os empréstimos que possuem um tempo menor para serem quitados, normalmente, contém uma despesa com juro menor.

Inclusive, a taxa praticada em cada tipo de simulação pode ser diferente. Para empréstimos que vão levar mais tempo para serem pagos, a taxa pode ser maior. Já para aquelas simulações, onde o período para pagamento é menor, a taxa oferecida pelo banco pode ser menor também.

Enfim, depois de realizar a simulação, chegou a hora de aceitar e adquirir o empréstimo. Depois disso, o valor será creditado em sua conta, e você vai contrair a dívida junto à instituição financeira.

É fácil conseguir linha de crédito para carro?

Uma das linhas de crédito bem procuradas no Brasil é a de carro. Como a diferença é grande entre o valor de um carro novo para a renda média do brasileiro, as pessoas  acabam comprando um veículo por meio de um financiamento.

Mas e na hora de comprar o carro, será que o crédito pode ser liberado de forma rápida, ou haverá dificuldades?

Não! Na verdade, seria um “depende”. Novamente vamos citar o exemplo de um cliente que possui o nome limpo na praça, e conta com um bom relacionamento junto ao banco.

Um cliente assim, “perfeito” vai conseguir aumentar o valor das linhas de crédito e inclusive, trabalhar com empréstimos a juros menores.

Consequentemente, na hora de comprar um carro, ou quem sabe um bem maior, o banco não vai pensar duas vezes para liberar a linha de crédito.

É provável que a linha de crédito para comprar o veículo seja liberada na plataforma online do seu banco. Ou seja, para conseguir acessar o financiamento, ou empréstimo, a pessoa vai, praticamente fazer o mesmo trajeto (que fez para conseguir o empréstimo pessoal) para liberar o valor para a compra do carro.

Como solicitar um empréstimo pessoal?

Uma das linhas de crédito mais procuradas em todos os bancos é o empréstimo pessoal. Esse tipo de crédito que é oferecido a praticamente qualquer pessoa, ou qualquer cliente.

Basta o cidadão abrir uma conta em algum banco, realizar a comprovação de renda, que posteriormente terá em suas mãos, a possibilidade de adquirir uma linha de crédito pessoal.

Mas é só isso que eu preciso para conseguir um empréstimo pessoal? Será que existem mais coisas que devem ser apresentadas?

Requisitos mínimos para a aquisição do empréstimo pessoal.

Um dos primeiro é ser cliente de algum banco. As principais instituições financeiras que oferecem esse tipo de crédito as pessoas são os grandes bancos.

Quando falo grande banco, estamos nos referindo ao Itaú, Bradesco, Santander, Banco do Brasil e Caixa Econômica.

Esses 5 bancos possuem grande parte das contas de pessoa física quanto jurídica. Sendo que os empréstimos pessoais desses bancos são razoavelmente fáceis de serem adquiridos.

Mas então, além de ter conta em um desses bancos, o cliente vai precisar comprovar renda. Para abrir a conta bancária, a comprovação de renda não é algo obrigatório.

Porém quando o cliente quer um cartão de crédito, ou até mesmo, um saldo no cheque especial o cliente terá que fazer a comprovação de renda!

Essa comprovação pode ser realizada por meio do seu holerite. Quando você recebe o salário, provavelmente a sua empresa fornece a folha de pagamento, assim o colaborador também pode conferir se os descontos estão corretos, e se o valor recebido está em ordem.

Com essa folha, o cliente poderá realizar a comprovação de renda. É bem provável que o banco solicite mais do que um recibo de pagamento. Na verdade, em grande parte, os bancos solicitam até 3 holerites para os clientes (os últimos 3 no caso).

Além da comprovação de renda, os bancos provavelmente vão realizar consultas em instituições que cadastram as pessoas para determinar se a pessoa possui “ficha limpa” na praça.

Uma empresa que faz isso é o Serasa. Através do mesmo, a pessoa também pode fazer o seu cadastro e identificar se existe alguma pendência em seu CPF.

Se tudo estiver em ordem, então o banco pode abrir a linha de crédito para a pessoa. Só gostaria de destacar aqui, que o importante é evitar a necessidade de adquirir um empréstimo.

Lógico, pode ocorrer alguma situação onde a pessoa não terá alternativa, restando à opção de captar recursos através de um empréstimo pessoal. Porém, esse tipo de negociação deveria ser evitada.

Evitando o empréstimo!

Mesmo o empréstimo sendo algo de fácil acesso, o importante, ou ao menos, essencial para a pessoa, é construir uma reserva de emergência.

Essa reserva poderia ter um saldo de 2 a 3 salários para ajudar a pessoa em momentos de dificuldade.

Todas as pessoas vão passar em algum momento da vida por tempos de dificuldade. Com essa reserva de emergência, a pessoa poderia sair desses períodos de crise de forma mais tranquila, e sem gastar tanto.

Se lembre! Os empréstimos não são de graça! Qualquer linha de crédito exige o pagamento de juro sobre os valores adiantados.

Sem falar que no Brasil temos um dos juros de mercado mais caros do planeta. Para aqueles que estão captando a primeira vez recursos por meio de empréstimos, a taxa de juro pode chegar à casa dos 6% ao mês!

Essa taxa é muito alta, e pode trazer grandes prejuízos aos clientes. Por isso evite os empréstimos de qualquer forma!

Formas de conseguir linhas de crédito mais “baratas”

Um dos meios para conseguir uma linha de crédito mais “barata” é através dos empréstimos com garantia.

O importante é consultar se a instituição financeira aceita fazer esse tipo de negociação. Os grandes bancos podem acabar se recusando em fazer esse tipo de negociação, deixando as linhas de crédito com garantia para outros segmentos.

Observando isso, a pessoa deve procurar por instituições financeiras menores. Existem diversas empresas que trabalham com crédito para pessoa que estão até negativadas no mercado, ou “com ficha suja”.

Portanto, essas empresas podem sim, trabalhar com linhas de crédito que oferecem desconto no juro, caso o cliente deixa algo como garantia.

Manter um bom contato com o banco também é uma opção. Pessoas que possuem um bom relacionamento com a instituição financeira podem conseguir um empréstimo pessoal com uma taxa de juro menor. De repente essa taxa pode chegar a ficar próximo dos 3% ao mês ou até menos. Tudo isso vai depender do relacionamento entre cliente e banco.

Penhora também pode ser uma solução!

Outra forma de conseguir um bom desconto no juro do empréstimo é recorrendo à penhora! A Caixa Econômica é uma instituição que trabalha com a penhora.

A penhora consiste em deixar algum bem preciso sobre a guarda do banco, e em troca a pessoa consegue um empréstimo de uma quantia em dinheiro.

Essa quantia pode ser uma fração do valor do bem, ou o valor do bem mesmo. Esse valor a que me refiro é reconhecido por um especialista que vai examinar a sua jóia e assim determinar o seu valor.

As duas partes então entram em um acordo, e o banco oferece um valor para emprestar ao cliente, e o cliente deixa a sua joia sobre a guarda do banco.

Seria mais ou menos assim; a pessoa possui uma corrente de ouro, então esse cliente vai até a área de penhora da Caixa Econômica.

Lá o cliente será atendido por um especialista que vai fazer a avaliação da jóia. Depois a pessoa que estiver lhe atendendo vai fazer a oferta sobre a corrente.

Vamos supor que com aquela corrente, você consiga R$ 1.000,00, então sobre esses R$ 1.000,00 o cliente vai precisar pagar uma taxa de juro ao mês.

Assim que o cliente conseguir o valor novamente, poderá quitar o empréstimo e recuperar a corrente.

Essa forma de empréstimo é bem interessante! Uma vez que a taxa de juro é bem menor em comparação ao empréstimo pessoal convencional.

Sem falar que o cliente pode utilizar a guarda do banco, para manter sua jóia em um lugar seguro.

Como posso solicitar um cartão de crédito internacional?

Comprar algo do exterior já foi uma tarefa bem complicada. Na verdade, as pessoas comuns (como nós) não tinham meios para conseguir efetuar tais compras.

Mesmo havendo alguma forma, a compra poderia ser muito cara, fato que acaba desmotivando o negócio. Mas com a internet, e principalmente com os cartões de crédito, tais aquisições no exterior se tornaram mais fáceis.

Com os cartões internacionais, tal procedimento, de comprar produtos no exterior virou algo muito fácil e prático de ser feito.

Além das compras online, o cartão de crédito internacional facilita a vida daqueles que vão viajar para o exterior.

Antes, as pessoas precisavam trocar o real pela moeda do país de destino. Por exemplo, a pessoa vai para os Estados Unidos, então era preciso trocar o real por dólar (em espécie).

Depois as pessoas começaram a pegar o costume de adquirir um cartão pré-pago com dólares.

Ou seja, era adicionado dólar no cartão. Tudo isso feito através dos próprios reais. Atualmente, o cartão de crédito internacional vem ganhando mais e mais usuários.

Desse modo o viajante não precisa se preocupar em trocar reais por dólares ( por exemplo) e tão pouco efetuar a compra de um cartão pré-pago. Todos os gastos realizados no exterior podem ser pagos através do cartão internacional!

Solicitando um cartão de crédito internacional!

Antes de solicitar um cartão internacional, a pessoa deve analisar vários fatores para decidir qual escolher.

Um dos principais itens que é preciso verificar no seu futuro cartão é o valor da anuidade, ou se existe anuidade no mesmo.

Valores altos de anuidade devem vir acompanhados de benefícios. Porém se os benefícios forem poucos, ou focados a um público diferente, então o cartão provavelmente não vai corresponder às expectativas do usuário.

É mais fácil escolher um cartão com isenção de anuidade. Desse modo, o usuário não terá gastos com o cartão.

Por isso a anuidade deve ser avaliada em primeiro lugar! Querendo ou não, boa parte dos cartões que temos no mercado, vem com alguma taxa anual. Cartões oferecidos por bancos menores e até as instituições denominadas de Fintechs conseguem oferecer cartões com isenção.

Um bom exemplo, disso é o Nubank e o banco Inter. Nos dois casos o usuário deve analisar a instituição também, observando sites como o Reclame Aqui, para determinar se a instituição financeira é de boa qualidade.

O segundo item que deve ser analisado pelo usuário é os benefícios do cartão. Por exemplo, existem cartões que contam com alguns benefícios que podem compensar o pagamento de uma anuidade.

Um bom exemplo de benefício é os pontos ou milhas dos programas de fidelidade. Dentre esses programas podemos citar a Multiplus e Smiles.

O funcionamento dos programas de milhas e pontos é bem simples. Ao comprar com o cartão de crédito, o valor de sua fatura é convertido de real para dólar.

Para cada dólar, o usuário vai receber uma quantidade de pontos. Geralmente os cartões internacionais são considerados cartões de nível “básico”, ou seja, são de primeiro nível.

Depois temos os cartões Gold, Platinum e os cartões exclusivos, como o Infinite (VISA) e o Black (Mastercard).

Para cada nível desses o usuário recebe uma determinada quantidade de pontos para cada real gasto (convertido em dólares).

Se no nível internacional o usuário receberá 1 ponto para cada 1 dólar gasto, no Gold o usuário receberá algo em torno de 1,33 pontos para cada dólar gasto.

Depois no Platinium a “remuneração” pode ser de 1,50 a 2 pontos por dólar. Nos cartões exclusivos a pontuação pode chegar aos 2,5 pontos para cada dólar.

Observando isso, parece ser bem mais interessante adquirir um cartão Exclusivo do que os de outros níveis. Porém para esses cartões, que oferecem pontos e milhas em programas de fidelidade, geralmente existe a cobrança de anuidade!

Essa cobrança também ocorre de forma escalonada. Conforme o nível vai subindo a cobrança de anuidade vai aumentando.

É comum observar os cartões internacionais cobrarem de seus clientes uma taxa de anuidade próxima dos R$ 150,00. Os cartões Gold e Platinium podem chegar a valores superiores aos R$ 200,00 já os exclusivos podem romper a barreira dos R$ 300,00!

Bom, observando que existem cartões internacionais isentos de anuidade (como já mencionamos) o usuário deverá ao menos conseguir extrair benefícios equivalentes ao valor pago de anuidade. Desse modo haverá uma espécie de compensação.

Se isso não for possível, não faz sentido adquirir um cartão internacional que cobre anuidade (ou só tenha custos ao invés de benefícios).

Esse é um ponto implorante! O cartão internacional, ou seja, lá o que for, deve trazer benefícios ao cliente. Mas não custos! Evite o gasto a todo custo!

Vale lembrar que os bancos grandes que oferecem esses cartões, geralmente, concedem descontos aos usuários que solicitarem uma redução no valor.

É claro que para isso acontecer, o cliente deve ter uma boa relação com a instituição financeira. Quando falamos em boa relação estamos nos referindo aos pagamentos em dia!

Mantendo um fluxo de compras através do cartão de crédito aliado aos pagamentos em dia das faturas, dificilmente o banco vai deixar de lhe conceder algum desconto.

É possível que tais descontos cheguem a ficar acima dos 50% do valor da anuidade! É um excelente negócio! Vale destacar que esse desconto é possível e não garantido!

O terceiro motivo para solicitar um cartão internacional é os benefícios concedidos através de empresas ligadas ao cartão.

Por exemplo, atualmente existem cartões das mais diferentes empresas com as mais diferentes bandeiras.

Então temos cartões de bancos como o Itaú e o Bradesco que por sua vez, são vinculados a outras empresas, como a Netshoes e o Submarino. Depois temos as bandeiras, como a VISA e Mastercard.

Vamos dizer que o leitor seja um grande cliente de alguma dessas empresas, por exemplo, a Netshoes. O cartão Netshoes oferece aos clientes descontos consideráveis em boa parte dos produtos.

Mesmo pagando a anuidade do cartão, que nesse caso não é isento os benefícios com os descontos podem ser maiores do que a própria anuidade. Portanto o cliente pode sim, conseguir extrair benefícios financeiros na aquisição desse cartão.

Mesmo coisa acontece com os cartões do Submarino, Americanas, os cartões de companhias aéreas, como a LATAM e até cartões dos programas de fidelidade, Multiplus e Smiles!

Como aumentar as chances de conseguir um empréstimo?

No Brasil não é muito difícil conseguir um empréstimo. Desde os próprios financiamentos até as linhas de crédito pessoal, os empréstimos acabam sendo facilmente liberados.

Porém, as condições impostas pelas instituições financeiras para o pagamento são difíceis. Os encargos, juros e inclusive a multa pelo atraso acabam sendo demasiadamente altos.

Mesmo com a taxa de juro no Brasil, estando em um dos seus menores patamares desde a criação do plano Real (o juro atualmente está em 6,5%), existem linhas de crédito que oferecem juros de 6% ao mês!

6% ao mês acabam virando mais do que 72% ao ano! É uma taxa muito alta! Mas ainda sim existem formas de conseguir uma taxa de juro menor! Mas para isso é necessário manter um bom relacionamento com o seu banco, ou procurar alguma instituição financeira que lhe conceda uma linha de crédito mais barata.

Mantendo um bom relacionamento com o banco

Adquirir um empréstimo, em minha opinião não é um bom sinal. Até mesmo para aquelas pessoas que nunca ficaram devendo, mas vira e mexe precisam de um empréstimo, ou do cheque especial, chegar a esse ponto é sinal de que existe um gasto maior para o tanto de receita que a mesma consegue conquistar durante o mês.

Por isso o mais certo, antes de tudo, é analisar qual é a fonte principal dos gastos. Mas vamos focar na obtenção de empréstimo! Pois bem, se existe realmente a necessidade, a pessoa deve manter um bom relacionamento com o banco.

Nunca atrase suas parcelas, e se mantenha com as contas em dia. Por exemplo, acontece uma emergência, e houve a necessidade de adquirir um empréstimo.

Para correr atrás de uma linha de crédito, isso é um sinal de que a pessoa não possui dinheiro. Ou seja, quando o salário chegar a sua conta ou os ganhos do mês, é possível que a pessoa tenha que efetuar uma boa economia para conseguir reduzir os gastos e encaixar o valor do empréstimo no orçamento.

Caso o cliente mantenha o padrão de gastos, é provável que mais cedo ou mais tarde acabe ficando inadimplente.

Portanto pague sempre em dia! Se esse for o primeiro empréstimo, é possível que o juro dele seja mais alto.

Por isso tente a qualquer custo pagar o mesmo em menos parcelas. Na menor quantidade possível! Quanto menos parcelas forem, menor será a quantidade de juros para pagar.

Assim, o banco também vai conseguir ter uma noção se o cliente é um bom pagador. Pagando e se mantendo em dia com as parcelas, é possível que no próximo empréstimo a taxa de juro seja menor.

O banco sempre vai querer um cliente que pague as coisas em dia. Se esse cliente pago em dia e costuma adquirir empréstimos, então o negócio é melhor ainda.

Procure linhas de crédito que aceitem ativos em garantia!

Não é toda instituição financeira que aceita bens em garantia para a realização de empréstimos e financiamentos. Boa parte dos bancos acaba liberando o crédito sem necessidade de manter bens em garantia.

Mas mesmo assim, ainda existem alguns bancos, ou instituições menores focadas no crédito que acabavam aceitando.

Deixar algum bem como garantia também é algo perigoso, ainda mais se o cliente não possui a certeza de conseguir pagar as parcela em dia, por isso fique atento!

Mas a garantia do bem tem o seu valor nessa negociação, ao deixar um bem em garantia o cliente pode conseguir uma boa redução na taxa de juro.

Dependendo do relacionamento do cliente junto à instituição financeira, os juros e encargos podem cair bastante. A cobrança pode ser de algo próxima do 1% ao mês. Taxa que comparada a média do mercado é muito atraente.

Com certeza uma das taxas mais baixas para a pessoa física oferecida por bancos, principalmente pela Caixa Econômica, é no que diz respeito ao plano habitacional, Minha casa Minha vida.

Nesse programa de financiamento popular, a taxa de juro efetiva ao ano, pode chegar próximo dos 7% ao ano! Taxa muito boa, e sem necessidade de deixar bens em garantia!

Ficha limpa na praça!

Manter a ficha limpa na praça é outra coisa fundamental para conseguir acesso as mais diversas linhas de crédito no país.

Por isso a pessoa precisa manter suas contas em dia. Não somente junto às instituições financeiras, mas também com os estabelecimentos comerciais, com as empresas que fornecem energia, serviços de telefonia e até de luz.

Todas essas empresas podem de alguma forma negativar o cliente em caso de inadimplência. Sendo que essas informações podem parar em firmas como o Serasa.

O Serasa faz o registro das pessoas que  entram em inadimplência, e dessa forma os bancos e demais instituições ficam sabendo se a ficha da pessoa está limpa ou não.

Caso a ficha esteja suja, então a captação de recursos por meio de uma linha de crédito, financiamento e demais empréstimos pode ser comprometida a ponto de ser negada.

Mas tecnicamente, ter o crédito negativado na praça não é algo tão fácil de ocorrer. Ainda mais se a pessoa possui renda (por meio de trabalho assalariado, por exemplo), mas o que pode ocorrer é a liberação de crédito mediante a uma alta carga de juros e encargos.

Então, ao invés de conseguir uma linha de crédito com juros na casa dos 2% ao mês (que para uma linha de crédito pessoal, já é uma boa taxa) a pessoa vai conseguir algo próximo de 5% ou até mais!

Por isso é preciso de qualquer forma manter as contas em dia! Se ocorrer o imprevisto, e a pessoa precisar de dinheiro então recorra ao empréstimo, mas já observando que uma nova despesa vai acontecer ao longo dos meses,

Evite captar recursos em muitas parcelas. Quanto menos parcelas o empréstimo tiver, menor será as despesas com juros e encargos.

Desse modo, o cliente pode focar em quitar o seu empréstimo, e de repente começar a poupar parte da renda. Assim não será preciso correr atrás de empréstimos, financiamentos e demais linhas de crédito.

Dicas de segurança para seu cartão de crédito

Muitas pessoas acabam fazendo o cartão de crédito observando sua praticidade e segurança. Comprar através do cartão de crédito é sinônimo de praticidade e de segurança, uma vez que o usuário não precisa levar o dinheiro na carteira para pagar suas compras, por exemplo.

Tudo pode ser pago por meio do cartão. Mas será que o cartão não exige algum cuidado?

Sua senha!

Todo o cartão de crédito exige a configuração de uma senha. Essa senha é utilizada para aprovar os pagamentos feitos através do cartão.

Então o usuário realiza a compra e chegando ao caixa, deve passar o cartão. Após inserir o cartão na máquina, o usuário deverá colocar a senha.

A senha deve ser de fácil memorização, mas suficientemente difícil, assim uma pessoa não autorizada não terá como utilizar o cartão.

Anotar a senha em uma folha ou algo do gênero, levando essa folha para conseguir se lembrar da senha também não é uma boa. Em caso de roubo, a senha pode acabar sendo roubada junto ao cartão. Isso facilitaria ainda mais o “trabalho” do criminoso.

Portanto a senha deve ser bem elaborada. Lembrando que a senha geralmente é de 4 números e pode ser alterada quando for necessário. É bem provável que a alteração seja efetuada por meio de um caixa eletrônico, ou de repente na própria agência bancária através de um gerente de conta.

Mantenha o cartão em um lugar seguro

O ideal seria manter o cartão de crédito dentro de uma carteira. Sendo que a carteira poderia ser uma com zíper. Existem diferentes tipos de carteiras, temos aqueles modelos de carteira aberta, sem zíper ou com velcro.

Temos a carteiras com velcro, ou aquelas com botão, onde o usuário pode prender as pontas da carteira mantendo a mesma fechada.

Porém todas essas carteiras ainda podem acabar deixando o cartão passar entre as arestas. Somente uma carteira que mantém a parte interna totalmente fechada poderia ser capaz de manter o cartão seguro.

Sendo assim as carteiras com zíper são uma boa alternativa. Além de guardar o cartão na carteira, mantenha sua carteira sempre em um bom lugar quando não estiver com a mesma.

Ao chegar a casa tenha um lugar aonde deixar a sua carteira. Desse modo, ao identificar que a carteira não está lá, o usuário já terá uma ideia de que algo diferente ocorreu.

De repente a pessoa esquecer a carteira, ou ela pode ter sido furtada. Tudo isso deve ser levado em consideração uma vez que o cartão de crédito funciona de forma similar a um cheque em branco.

Se você ainda deixa a sua senha anotada em algum compartimento da carteira, esse cheque pode ser em branco e assinado!

Para conseguir solicitar o estorno dos valores utilizados sem autorização do proprietário, pode levar algum tempo, sem falar que exige o mínimo de burocracia.

Observando isso, é melhor evitar tais incômodos do que procurar o que fazer depois.

Não passe informações do seu cartão!

O cartão de crédito não é uma senha só também. O cartão em si, possui diversos dados. Além dos dados descritos no cartão temos mais algumas informações que são relevantes na hora de comprar algum produto. Principalmente online!

Ao entrar em um site para efetuar a compra de algum produto ou serviço, as plataformas de pagamento solicitam ao cliente o numero do cartão, nome, CPF e diversos outros dados para comprovar quem é o proprietário do cartão, e se tudo está em ordem.

Após toda essa série de comprovações, o cliente consegue efetuar o pagamento. Mas nem sempre todos os sites são confiáveis.

Existem algumas páginas que podem ser modificadas por “Hackers” e assim, todas essas informações podem acabar em mãos erradas!

Por isso ao comprar através da internet, sempre observe os emblemas de segurança do site. Se for a sua primeira compra, procure referências do site.

Essas referências podem ser encontradas em diversos sites, principalmente no reclame aqui. Lá é provável que o site (se não for seguro) tenha diversas reclamações, posteriormente o usuário pode procurar em redes sociais e afins.

Tudo isso deve ser feito a fim de evitar qualquer tipo de incômodo! Se lembre, a fatura do cartão deverá, no final das contas, ser pago por você!

Não deixe os dados do seu cartão salvo nos sites!

Isso é algo que pode acontecer com qualquer um! Ao comprar algum produto, mesmo que seja no site mais seguro do mundo e confiável, ao final da compra, é provável que surja a seguinte mensagem.

Você gostaria de salvar os seus dados para a próxima compra?

Não! Não aceite isso. Isso não significa que o site esteja querendo os seus dados para utilizar para algo ruim.

Na verdade o site só quer que o cliente tenha mais facilidade na hora de comprar algum produto.

Porém o usuário que estiver mexendo no computador pode acabar efetuando alguma compra “sem querer”.

Manter o cadastro do seu cartão no computador, ou celular pode acabar sendo algo ruim.

A compulsão por compras também pode se aflorar ao deixar tudo facilitado, com os dados do cartão salvos em seu computador mais compras podem ocorrer.

Até mesmo se o dispositivo for furtado, outras pessoas podem acabar tendo o acesso a sua conta e utilizar a mesma para realizar compras. Por isso evite deixar os seus dados salvos!

O seguro do cartão pode ser algo desnecessário

Algumas pessoas já me perguntaram se eu faço o seguro contra roubo do cartão de crédito, e a resposta é não.

Mesmo se o meu cartão for roubado, ou for utilizado para realizar compras sem a minha autorização, eu posso utilizar o 0800 da administradora do cartão para realizar a denúncia e pedir o bloqueio do cartão além da devolução dos valores gastos.

O procedimento não ocorre de forma rápida, à administradora do cartão pode solicitar alguns documentos para dar prosseguimento ao estorno dos valores.

Dentre os documentos solicitados, o Boletim de Ocorrência pode ser um. Sendo que o seguro vai acabar gerando um custo anual, e tecnicamente não chega a ser essencial para o usuário.