Diferença entre empréstimo pessoal, cartão de crédito e cheque especial.

Você consegue me dizer quais são as linhas de crédito mais caras no Brasil? Existem tantas que você provavelmente nem saberia me dizer, correto?

Ou de repente até já conhece alguma delas, mas não consegue determinar se existe algo mais caro. Fique tranquilo, que nesse artigo vamos falar sobre essas linhas de crédito.

O cheque especial e o parcelamento do cartão de crédito ocupam os primeiros lugares entre as linhas de crédito mais caras.

É bom frisar que ambas as linhas já foram piores. Houve algumas mudanças nas regras, principalmente no que tange o parcelamento do cartão, além da redução da taxa de juro.

Pois bem, mas quais são as principais diferenças entre o empréstimo pessoal, cheque especial e o cartão de crédito?

Facilidade de acesso

As três formas de “empréstimo” são similares quando o assunto é acessibilidade. Porém o cheque especial é a mais fácil.

Para conseguir acessar o limite do cheque especial, o cliente precisa ter uma conta corrente, basicamente.

Bom, na hora de abrir a conta corrente, o gerente do seu banco provavelmente vai solicitar um comprovante de renda.

Através desse comprovante de renda será possível determinar um valor de limite. Acredito que o banco deve realizar algum tipo de cálculo para mensurar qual será o valor de cheque especial.

Existem bancos que até perguntam para o cliente se o mesmo quer contar com o cheque especial liberado na conta.

Enfim, após o processo de abertura da conta, o cliente já pode contar com um limite no cheque especial.

Mas como funciona esse limite? Ao utilizar mais dinheiro do que possui na conta corrente, o banco vai começar a usar o seu limite no cheque.

Lógico que esse limite, como o próprio nome já diz, possui um limite. Sendo assim, o valor pode ser totalmente utilizado e a partir daí, não haverá mais liberação de recursos.

Por exemplo, se você possui uma conta para ser paga e não possui mais dinheiro, é possível pagar a fatura utilizando parte do limite do cheque. Desse modo você paga a conta, mas contrai uma dívida junta a instituição financeira.

Para quitar essa obrigação junto ao banco você tem a opção de depositar o valor correspondente em  sua conta e depois aguardar que os encargos sejam cobrados, ou parcelar o valor utilizado no cheque especial.

Com certeza a forma mais eficiente de conseguir se livrar dos valores do cheque especial é pagando de uma só vez a quantia utilizada.

Lembre-se, ao parcelar o valor a pagar do cheque especial, o juro cobrado será similar ao juro do próprio cheque especial, portanto é mais interessante captar recursos através de outra linha de crédito, como o próprio empréstimo pessoal, do que parcelar o valor.

Agora, para conseguir acessar o parcelamento do cartão de crédito, ou qualquer linha de crédito que seja proveniente do cartão, o cliente só precisa deixar de pagar o valor total da fatura.

Ao pagar o valor mínimo você já estará se endividando no cartão. Essa dívida é interessante, ou melhor, é a melhor oportunidade de crédito? Não!

Sem dúvidas o cartão de crédito é tão ruim (juro alto) do que o cheque especial. Caso você esteja passando por problemas financeiros, e não existe outra forma de conseguir pagar o seu cartão, então será preciso recorrer ao pagamento mínimo da fatura ou ao parcelamento das mesmas.

Após fazer isso, fique esperto com o juro cobrado. Não tente pagar o valor total através das parcelas. Assim que possível procure por uma linha de crédito mais em conta.

O empréstimo pessoal pode ser uma boa. O bom mesmo seria conseguir o empréstimo consignado! Através do consignando você terá em mãos o empréstimo mais em contra do mercado!

Por último temos o empréstimo pessoal. Dentre as três opções de empréstimo, o empréstimo pessoal é a mais interessante.

Para conseguir acesso à linha de crédito o cliente terá que contar com crédito pré-aprovado, coisa que não é difícil de conseguir.

Se você já conta com o cheque especial, é bem provável que o empréstimo pessoal já esteja liberado também.

Para conseguir os recursos através dessa modalidade crédito, basta você acessar a área de empréstimo e financiamentos do seu banco online e analisar as opções e os valores.

É possível até realizar simulações com o intuito de avaliar qual é a melhor opção, melhor prazo e valores,

Enfim, através da internet, no confronto de sua residência, você pode analisar e encontrar o melhor empréstimo.

Se todos são acessíveis qual é a melhor taxa?

Passando a análise para as taxas praticadas encontramos uma semelhança entre o parcelamento do cartão de crédito e o cheque especial.

Ambas as taxas de juro são semelhantes. É possível que o crédito do cartão ainda seja superior. Então, observando isso, acredito que é melhor captar recursos através do cheque especial para cobrir uma possível dívida no cartão do que o contrário.

Mas ao detectar que haverá problemas com o cartão ou o cheque especial, você já pode tentar agilizar um empréstimo pessoal.

O empréstimo pessoal pode cobrar uma taxa equivalente a 70% ou 80% de juros ao ano, enquanto o cheque especial ou o crédito do cartão podem cobrar taxas superiores aos 200% ao ano!

Sendo assim, dê prioridade ao empréstimo pessoal! Evite ao máximo contrair crédito do cheque especial ou do cartão de crédito!

Conclusão

Levando tudo em consideração, não restam dúvidas que a melhor forma de captar recursos é através do empréstimo pessoal.

No empréstimo pessoal o cliente tem a possibilidade de pagar um juro mais “normal”. Sendo que a taxa pode ser ainda menor. Tudo vai depender da forma de crédito além da relação entre o cliente e o banco.

O cheque especial e o parcelamento do cartão de crédito são formas de crédito que devem ser levadas em consideração. Por mais que o juro seja alto, em momentos de extrema dificuldade você terá que acionar as linhas.

Após conseguir resolver os seus problemas (momentâneos) será preciso “trocar” a dívida por outra que seja mais “barata” com juros menores.

Diferença entre empréstimo consignado e empréstimo pessoal

Um empréstimo de fácil acesso e o outro que é considerado a linha de crédito mais barata. Quais são as reais diferenças entre o empréstimo pessoal e o consignado?

Vamos ver as vantagens e desvantagens de ambas às linhas de crédito nesse artigo! Vamos iniciar nossa avaliação observando a facilidade em aquisição dos empréstimos.

Captação de crédito, qual é o mais fácil?

Vamos analisar primeiro cada uma das opções de crédito. Primeiro vamos avaliar o empréstimo pessoal.

Na modalidade clássica de empréstimo pessoal, nessa onde boa parte dos bancos oferece aos seus clientes o crédito pré-aprovado, ou que os bancos menores oferecem o empréstimo sem análise de crédito, o acesso é fácil!

É bem fácil na verdade! Os bancos maiores, como o Itaú, Bradesco, Banco do Brasil entre outros semelhantes, podem até conter certas restrições em conceder linha de crédito a clientes que estejam negativados ou com problemas para quitar suas obrigações. Mas para aqueles que estão com tudo em ordem na praça, o crédito é de fácil acesso!

Através da sua conta online já será possível captar recursos! Depois de alguns cliques é bem possível que o dinheiro já esteja liberado em sua conta corrente.

Com relação ao consignado, a captação dos recursos pode ser um pouco mais burocrática. Não existe uma opção para realizar tudo online. Você deverá se deslocar até uma agência bancária, e aí sim, realizar a solicitação.

Será necessário contar com algum convênio entre a empresa onde você trabalha, e recebe a remuneração mensal, e o banco do qual você quer captar os recursos.

Esse convênio deve existir uma vez que no empréstimo consignado, os pagamentos mensais são descontados diretamente de sua folha!

Portanto você não precisa imprimir um boleto, ou se se preocupar em  pagar alguma parcela mensalmente. As parcelas serão descontadas do seu salário até o encerramento da dívida.

Caso a sua empresa não conte com um convênio junto a instituição financeira, então será mais interessante analisar em qual banco a sua empresa possui conta.

Dessa forma, você pode tentar captar recursos através dessa instituição e assim agilizar todo o processo.

Além dessa questão do convênio, você vai precisar passar por uma análise de crédito e afins. Enfim, depois de levantar todas essas informações sobre as duas linhas de crédito, chegamos à conclusão que o empréstimo pessoal é muito mais fácil.

Através do consignado você provavelmente não vai conseguir extrair os recursos no mesmo dia. Será preciso, ao menos, um a três dias para conseguir finalizar com sucesso a solicitação e captação dos recursos, enquanto no empréstimo pessoal todo o processo pode levar só alguns cliques!

Diferenças nos juros entre empréstimo consignado e empréstimo pessoal

Agora vamos falar de algo realmente interessante, os juros! Bom, no caso do empréstimo pessoal o juro pode variar bastante!

Estamos falando da possibilidade de contar com empréstimo que cobram algo em torno dos 2% ao mês, até empréstimos que chegam aos 6% ao mês!

Mas como isso funciona? É simples! Existem bancos de menor porte que oferecem empréstimos pessoais com juro pequeno.

Às vezes, para conseguir contra com a linha de crédito de determinada instituição, o cliente deve realizar algum aporte, investimento, no banco.

A partir desse investimento o banco determina que o cliente pode ter acesso a um valor. Sendo que esse valor pode ser captado a juros que variam entre os 2% ao mês.

Um exemplo de banco assim é o banco Sofisa. Além do Sofisa, ainda existe outras instituições financeiras, (de pequeno porte, ou médio) que oferecem o empréstimo pessoal também com condições semelhantes.

Com relação aos bancos maiores, como ocorre com o Itaú, Bradesco entre outros similares, oferece empréstimo pessoal com juros altos.

Dependendo da sua relação com o banco, é possível conseguir um desconto no juro do empréstimo pessoal.

Esse desconto é algo um pouco mais difícil de conseguir, até porque, quem define se sua relação como banco é interessante é a própria instituição financeira. Porém, o desconto  não é algo difícil de acontecer.

Sendo assim, a redução no juro pode levar a taxa para algo próximo dos 4% ao mês! Mas é o juro do consignado? Se conseguir acesso a essa linha de crédito aparecer ser uma tarefa difícil, esse juro deve compensar correto?

Sim! O juro do consignado é um dos mais baixos do mercado (se não for o mais baixo). Dependendo do banco, o cliente pode conseguir um juro na casa dos 2% ao mês e até menos!

O consignado pode chegar a um juro abaixo dos 1,5% ao mês. Sem dúvidas, um juro de 1,5% ao mês, é algo muito interessante!

Conclusão a respeito do juro; o consignado possui a melhor taxa! Não há dúvidas quanto a isso. O esforço para conseguir o consignado vale a pena!

Por mais que o empréstimo pessoal, realmente seja uma linha de crédito de fácil acesso, sendo muito simples conseguir os recursos necessários, o consignado oferece a oportunidade para você captar recursos sem pagar tanto juro.

Essa redução no juro é algo que pode lhe beneficiar muito! Então, o consignado vale a pena quando o assunto e juro!

Em quantas vezes?

Tanto o consignando quanto o empréstimo pessoal pode ser parcelado em várias vezes. Dependendo do valor, do banco e até das condições do cliente, os empréstimos podem ser pagos em até 48 ou 60 vezes.

Estamos falando em pagar o empréstimo em um período de 4 a 5 anos! Lógico que ao optar por um empréstimo pessoal com juro de 6% ao mês, quanto mais tempo você passar pagando esse empréstimo, maior será o tamanho da dívida paga no final.

Resumindo, é possível que o valor pago ao final do empréstimo seja equivalente a 2, 3 ou até mais vezes o valor do empréstimo em si!

Já no consignado o impacto não será tão grande devido ao juro menor. Por isso, na hora de optar por um empréstimo, tente colocar como prioridade a taxa de juro.

Foque em uma linha de crédito que ofereça um juro mais baixo, e aí corra atrás do banco para conseguir os recursos.

Perigos do crédito fácil em empréstimos

Quando precisamos de dinheiro rápido, nada melhor do que encontrar crédito de fácil acesso, não é mesmo? Mas o que está atrelado a esse tipo de empréstimo? Será que existe empréstimo de fácil acesso que ofereça boas condições de pagamento?

Sim e não! Até existem boas oportunidades de empréstimo no mercado, mas duvide! Na grande maioria, os empréstimos de maior facilidade possuem seus perigos!

Juro, o primeiro perigo!

Existem  três linhas de crédito que costumam oferecer juros altos e são de fácil acesso. Estamos falando do cheque especial, parcelamento do cartão de crédito e do empréstimo pessoal.

Para conseguir acesso ao cheque especial, a única coisa que você precisa fazer é utilizar todo o saldo disponível na conta.

Ao utilizar todo o saldo disponível, você vai acabar caindo no cheque especial. Atualmente o saldo utilizado no cheque especial pode ser pago por meio de parcelas.

Querendo ou não, o cheque especial vem sofrendo alterações, sendo que tais modificações surgiram para deixar tal linha de crédito mais “acessível”.

No caso do cheque especial,  o acessível no qual me refiro é com relação aos juros. Por mais fácil que seja o crédito através do cheque especial, os juros cobrados por meio desse empréstimo pode superar os 200% ao ano!

Então no final das contas, o cheque especial não é assim tão prático e acessível. Os juros e encargos que existem sobre esse empréstimo são altos demais.

Com relação ao parcelamento do cartão de crédito, temos outra opção interessante, porém de juros altíssimos!

Novamente estamos tratando de um empréstimo que pode chegar a juros acima dos 200% ao ano! Mas qual é o nível de acessibilidade do parcelamento do cartão?

Altíssimo, na verdade você só precisa contar com um cartão de crédito, e pronto! Já estará apto a solicitar o parcelamento do cartão.

Na verdade não há necessidade nem de solicitar. Se você quiser pagar um valor inferior em sua fartura, ou até mesmo, já optar por parcelar o valor da fatura de um determinado mês, então é só o fazer.

Pronto! Ao pagar um valor menor, ou parcelas a fatura, você já estará no parcelamento do cartão de crédito. O juro é extremamente alto e não vale a pena recorrer a esse tipo de crédito.

Caso você esteja em apuros, e não há outra forma de conseguir recursos, então não há  o que fazer! Parcele ou pague um valor inferior em sua fatura.

Depois, assim que possível tente captar com a instituição financeira alguma linha de crédito que possa ser utilizada para quitar o valor em aberto do seu cartão.

Por exemplo, uma boa linha de crédito que poderia gerar recursos suficientes para quitar a sua dívida no cartão é o empréstimo consignado! Só para exemplificar, o empréstimo consignado pode cobrar juros na casa dos 2% ao mês!

Tal juro é bem inferior aos juros vistos no cheque especial e no parcelamento do cartão! Então não fique pagando um empréstimo e juro alto! Você até pode recorrer a determinado empréstimo de forma provisória. Mas assim que possível, tente captar recursos com um empréstimo mais em conta.

Por último, mas não menos importante, temos o empréstimo pessoal! No empréstimo pessoal, a taxa de juro cobrada pode variar bastante!

Essa variação dependendo do produto em si, da instituição financeira, além da relação do cliente com o banco.

Existem empréstimos pessoais que oferecem a possibilidade de colocar algum ativo como garantia. Também é possível encontrar instituições financeiras que não analisam o crédito do investidor, ou seja, que oferecem empréstimos para negativados.

Observando que são diferentes tipos, vamos nos ficar aos empréstimos pessoais que podem eventualmente cobrar uma taxa mais alta do cliente.

As instituições que não fazem análise de crédito do cliente, e, portanto, liberaram valores para aqueles que possam estar negativados, costumam oferecer taxas mais altas.

Então se esse não for o se caso (não está negativado na praça) não capte recursos de tais instituições, ou evite.

Lógico, a menos que a taxa cobrada esteja atraente. Se o juro cobrado estiver dentro dos padrões do mercado, ou melhor, a uma taxa bem interessante próxima das mínimas então não vejo problemas, mas qualquer coisa acima dos 3% ao mês, já é mais caro.

Tome cuidado com empréstimos que exigem garantias

Geralmente quando recorremos ao empréstimo é por que não estamos bem financeiramente, corretos?

Essa condição pode ser passageira, ou pode ser algo mais crônico. Portanto, ao optar por empréstimos que envolva garantia, é bom ficar atento às cláusulas do contrato!

Ninguém buscar crédito com o pensamento que não vai pagar, ou que possa atrasar as parcelas, porém esse tipo de coisa acontece, não preocupe, se isso já ocorreu com você, isso é natural.

Mas ao contratar um empréstimo com garantias, dependendo do atraso, você pode vir a ser executado, ou seja, o seu bem (deixado em garantia) pode ser alvo de uma disputa entre você e a instituição credora.

Na verdade, não haveria disputa, ou pelo menos seria algo difícil de ganhar, uma vez que o bem já estava dado como garantia.

Enfim, você já compreender qual seria o risco aqui, correto? Já pensou oferecer sua residência como garantia?

Se eventualmente você ficar sem conseguir pagar as parcelas do seu empréstimo, a instituição financeira poderia vir a vender o seu imóvel! Assim a mesma poderia pegar parte dos valores da venda para saldar a dívida!

Isso é algo que pode vir a ocorrer em caso de inadimplência. Porá mais que o empréstimo esteja em condições interessantes, você deve tomar precauções!

Financiamento do carro!

Para conseguir financiar um carro, você necessariamente não precisa contar com um seguro. É só comprar  o veículo por meio de um financiamento, e pronto! Já está com o carro novinho em folha!

Mas e se roubarem o seu carro? Ou de repente alguém vir a bater nele, deixando o mesmo totalmente destruído? Pois é, em uma situação assim você pode vir a ficar com uma mão na frente e outra atrás.

Na verdade, você pode vir a ficar somente com as parcelas do seu financiamento! Por isso tente comprar o veículo avista, ou financie o mesmo, porém  com o mínimo de parcelas possíveis. E lógico, faça um seguro!

Empréstimo Pessoal o que é e como funciona? Como pedir?

Muitas perguntas não é mesmo caro leitor? Pois então, se essas são as suas dúvidas também, então você veio ao lugar certo, ou melhor, ao artigo certo!

Então vamos a primeira pergunta, o que é o empréstimo pessoal?

O que é?

De forma prática e simples, o empréstimo pessoal é uma linha de crédito que oferece ao consumidor a chance de conseguir recursos para fazer o que bem entender.

Sendo que nem sempre é exigida alguma coisa de garantia. Ou seja, vocês não precisam deixar um pedaço de ouro, ou quem sabe vincular o seu automóvel no empréstimo, muito menos a sua residência.

Outra característica bem marcante do empréstimo pessoal é sua facilidade e pouca burocracia. Sim, se você já é cliente de um banco, sendo que a sua conta é a conta corrente, é bem provável que já haja um crédito liberado em caso de necessidade.

Se por um lado temos vários dados interessantes a respeito do empréstimo pessoal, por outro temos algumas informações que não são tão legais.

O empréstimo pessoal é uma das linhas de crédito mais caras do mercado. O juro cobrado em cima do empréstimo pessoal pode chegar à casa dos 6% ao mês!

No ano, a taxa de juro e encargos pode se aproximar dos 100%! Então é possível que ocorra o seguinte; Ao solicitar R$ 1.000,00 no empréstimo pessoal junto a um banco, o valor pago dentro de um ano, pode chegar aos R$ 2.000,00! O dobro do valor captado!

É bom destacar que os juros cobrados em tais linhas de crédito não são as mesmas para todos os bancos.

Cada banco trabalha de uma forma diferente com o seu empréstimo pessoal. Por exemplo, existem instituições financeiras que oferecem empréstimos mediante a alguma garantia.

Oferecendo uma garantia, o cliente pode conseguir um empréstimo pessoal com taxas de juro mais em conta! Estamos falando de juro perto dos 2% ao mês, por exemplo.

Outro tipo de empréstimo pessoal que pode lhe conceder taxas mais interessantes são os consignados.

O consignado consiste em fazer uma parceria entre a empresa onde você trabalha e a instituição financeira que está lhe concedendo o crédito.

Ao firmar esse convênio, a instituição financeira vai realizar um débito diretamente de seu salário. Esse débito será equivalente ao valor da parcela do empréstimo.

Dentre todas as linhas de crédito existentes, acredito que o consignado é uma das melhores, uma vez que os juros cobrados são os mais baixos, podendo várias entre o 1% ao mês até 2% ao mês!

Sem falar que os débitos automáticos em seu salário já vão lhe ajudar! Assim, você não fica sem pagar as parcelas do empréstimo!

E basicamente é isso! O empréstimo pessoal é dividido em diferentes tipos de linhas de crédito. Sendo que o empréstimo mais negociado é aquele oferecido pelos grandes bancos, de forma bem simples e prática.

O empréstimo pessoal clássico não exige garantias, sendo que os recursos podem ser liberados de forma rápida e prática! Com alguns cliques em seu computador, já é possível captar recursos!

Como funciona?

O funcionamento do empréstimo pessoal também é algo muito simples. Esse tipo de crédito pode ser adquirido para qualquer ocasião.

Diferente de financiamentos, onde você geralmente consegue captar recursos para comprar algo, no empréstimo pessoal o dinheiro é liberado diretamente para você!

Então o dinheiro captado por meio do empréstimo pessoal pode ser utilizado para pagar outras contas, comprar alguma coisa da qual você precisa, e várias outras coisas.

Na verdade você pode utilizar os recursos do empréstimo pessoal para o que bem entender. Na hora de solicitar o empréstimo, você pode fazer isso através da internet (mais prático e rápido) ou por meio de uma agência bancária.

Para conseguir acesso através da conta online do seu banco, será preciso contar com algum valor pré-aprovado.

Para verificar se você possui alguma quantia aprovada, basta você acessar a área de empréstimos e financiamentos de sua conta online e pronto!

Provavelmente haverá alguma opção de empréstimo pessoal. Clicando nessa opção, provavelmente será possível realizar algum tipo de simulação ou algo do gênero.

Desse modo, além de conferir se o empréstimo pessoal está pré-aprovado, você ainda pode simular valores e as condições de pagamento.

Agora se você ainda não aderiu a vida digital, então será preciso realizar a solicitação do empréstimo em uma agência bancária.

O pedido pode ser débito por meio do gerente de conta. O processo é bem tranquilo também. Será preciso levar alguns documentos, dentre eles, o comprovante de renda provavelmente será necessário.

Depois de contar que o crédito será liberado para você, é preciso analisar as condições de pagamento.

Bom, se você quer reduzir ao máximo o valor das parcelas, aumentando as vezes que o empréstimo será quitado, então é natural que o juro seja mais alto.

Pode ser tanto na questão do juro ao mês, quanto pelo acumulado. Querendo  ou não, quanto mais tempo você permanecer pagando o seu empréstimo, mais juros você estará pagando para a instituição financeira.

Enfim, o correto é tentar quitar esse empréstimo o mais rápido possível. Dessa forma o juro até pode continuar sendo alto, porém os impactos que o mesmo trará em seu orçamento serão menores.

Como pedir?

E por último, mas não menos importante, como pedir o seu empréstimo pessoal? Como já mencionamos você tem como solicitar o seu empréstimo pessoal através da agência do seu banco ou pela sua conta online.

De qualquer forma o seu empréstimo vai passar uma análise, e poderá ser liberado ou não. A grande diferença fica por conta da comodidade.

Ao invés de ir até agência bancária, esperar pelo atendimento e depois ainda aguardar a liberação da linha de crédito, quando se tem a conta online, todo esse processo é muito mais rápido.

Primeiro, o cliente provavelmente já terá algum crédito pré-aprovado, portanto a análise em si, será muito mais rápida.

Sem falar que tudo isso pode ser feito na comodidade da sua casa, ou de onde você estiver. Enfim, o empréstimo pessoal é uma das linhas de crédito de mais fácil acesso!

Empréstimo Pessoal Online, sem sair de Casa.

O atendimento online dos bancos surgiu para facilitar nossas vidas. Se antes o cliente era obrigado a ir até uma agência bancária para realizar a solicitação de um empréstimo, agora tudo isso pode ser feito através da conta online do seu banco.

Dependendo, o cliente pode em alguns cliques colocar um determinado valor em sua conta corrente sem grandes problemas, definitivamente, em alguns cliques tudo isso pode ser resolvido de forma rápida e certa.

Mas qual é a linha de crédito é essa que está disponível com tanta facilidade? É o empréstimo pessoal!

Empréstimo pessoal, como conseguir?

Não é nenhuma tarefa impossível, na verdade, o empréstimo pessoal é uma das linhas de crédito de mais fácil acesso do mercado.

Lógico que para conseguir um acesso mais fácil a ela, o cliente precisará do seguinte:

  • Nome limpo no mercado (não estar negativado)
  • Comprovante de renda
  • Conta corrente no banco que está tentando pegar o crédito (ou estar abrindo a conta no mesmo)

É possível que o cliente não precise desses três itens para conseguir acesso ao empréstimo pessoal, mas com certeza, seguindo esses três itens o trâmite vai ficar mais fácil.

Vamos supor que o cliente esteja abrindo uma conta em um banco de varejo, como o Itaú, Bradesco, Santander ou outro similar.

Ok, ao realizar a abertura da conta corrente o cliente vai precisar mostrar alguns documentos ao gerente da conta, dentre esses documentos podemos citar o comprovante de renda.

O comprovante de renda é fundamental para conseguir acesso a crédito, tanto do empréstimo pessoal quanto para o cheque especial.

Sim, o cheque especial geralmente é oferecido junto a conta corrente, Dependendo do valor da renda do “futuro cliente”, o crédito pré-aprovado no empréstimo pessoal pode ser relevante.

Ou seja, esse crédito pré-aprovado ficará disponível para o cliente acessar assim que precisar. Caso a sua conta não conte com o crédito pré-aprovado, veja junto ao banco a possibilidade de liberar algum valor.

É possível que o banco libere mediante alguma comprovação de renda, para isso será preciso levar os seus comprovantes de renda até a agência bancária.

Lembrando que o comprovante de pagamento, não precisa ser necessariamente os seus holerites existem profissionais que trabalham como autônomos, que possuem somente a declaração de imposto de renda como documento comprobatório.

É bem possível que o banco reconheça a sua declaração como forma de comprovante de renda.

Juro médio do empréstimo pessoal

O juro médio do empréstimo pessoal não é baixo. Tecnicamente, o empréstimo pessoal está entre as linhas de crédito mais caras do Brasil.

O empréstimo pessoal perde somente para o juro cobrado pelo cheque especial e pelo parcelamento do cartão de crédito.

Ao abrir uma conta, e conseguir o crédito pré-aprovado, o cliente poderá conseguir acesso a um empréstimo pessoal com juros próximos dos 6% ao mês! Ou coisa similar!

Existem bancos ou instituições financeiras menores que oferecem empréstimos mais em conta. Com juros que podem chegar próximos dos 4% ao mês! Ainda é caro, mas já está mais em conta se comparar aos empréstimos dos grandes bancos.

Enfim, a condição pode ser ainda melhor, se o cliente trabalhar com empréstimos que oferecem a possibilidade de colocar algo em garantia, como um carro ou um imóvel.

Aí sim, o empréstimo pode ficar até abaixo dos 2% ao mês! Mas se nenhum desses casos se aplica a você, então será preciso optar por um empréstimo que cobre algo próximo dos 4% a 6% ao mês.

Vantagens do empréstimo pessoal

A grande vantagem do empréstimo pessoal está relacionado a sua praticidade! É muito fácil e tranquilo conseguir um empréstimo pessoal, ainda mais quando o mesmo é proveniente de um grande banco.

Como já mencionamos nesse artigo, ao abrir uma conta em um grande banco, geralmente, o gerente vai solicitar algum comprovante de renda.

Ao entregar o comprovante a instituição financeira, a mesma vai realizar uma estudo para determinar quanto será o seu crédito pré-aprovado.

Bom, nesse momento o cliente já terá em mãos a possibilidade de solicitar um empréstimo pessoal diretamente de sua conta online, sem haver necessidade de ir até agência bancária e assim, esperar por alguma outra análise.

Os bancos menores e até outras instituições financeiras também oferecem esse tipo de crédito. Sendo que algumas dessas instituições também  possuem produtos mais acessíveis, sem haver tanta burocracia.

Se você estiver em uma situação onde precisa do dinheiro de forma rápida, não existe em buscar recursos através do empréstimo pessoal!

Dentre todas as oportunidades que são oferecidas por meio do cheque especial, ou do parcelamento do cartão de crédito, o empréstimo mais em conta ainda é do empréstimo pessoal.

Posteriormente, você até pode procurar por outro tipo de empréstimo mais barato, com juros menores.

Um bom empréstimo que o cliente pode estar vendo é o consignado! Além é claro dos empréstimos com garantias.

Resumindo; de todas as linhas de crédito disponíveis no mercado, os empréstimos mais acessíveis com os juros menores são provenientes do empréstimo pessoal.

Sem falar que o valor adquirido por meio do empréstimo pessoal ainda pode ser parcelado em várias e várias vezes. Dependendo dos recursos que forem captados por meio do empréstimo pessoal, o valor pode ser parcelado em mais de 48 vezes!

Não utilize o cheque especial e nem o parcelamento do cartão de crédito!

Se você conta com crédito pré-aprovado para o empréstimo pessoal, então não faça o erro de captar recursos pelo cheque especial ou através do parcelamento do cartão de crédito.

Essas duas linhas de crédito podem cobrar de você juros superiores aos 200% ao ano! Comparado ao empréstimo pessoal, podemos dizer que tal linha de crédito pode cobrar até o dobro.

Levando o juro cobrado em consideração, podemos ver que não faz sentido captar recurso por meio do cheque especial ou pelo parcelamento do cartão de crédito.

Se você identificar que a sua conta vai ficar negativa, ou que o valor da fatura do cartão será muito alto, então solicite o empréstimo pessoal, e utilize o dinheiro proveniente dos empréstimos para quitar suas obrigações, antes de utilizar tais créditos (mais caros).

Tipos de empréstimo pessoal que você deve evitar

De qualquer forma, o empréstimo é algo que deve ser evitado! Não adianta, se você precisa de um empréstimo, financiamento ou qualquer outra forma de crédito, isso significa duas coisas, você não possui capital suficiente para conseguir quitar determinada dívida, ou adquirir um bem.

O correto mesmo seria juntar recursos suficientes para comprar o bem que deseja. Se a situação é de emergência, então após experimentar essa situação de “endividamento” você poderia analisar o orçamento e iniciar uma reserva para emergências.

Essa reserva de emergência poderia contar com um bom valor, capital suficiente para cobrir qualquer tipo de despesa.

Só assim, tomando certas precauções, é possível levar uma vida mais tranquila. Mas se esse ainda não é o seu caso, então é preciso analisar as opções de empréstimos pessoais.

Não se engane, existem muitos empréstimos pessoais por aí, porém as taxas de juro praticadas pelas instituições financeiras mudam! Ou seja, você terá que avaliar um por um para encontrar aquele que vai se encaixar no seu bolso!

O empréstimo pessoal dos grandes bancos

Talvez esse seja o principal empréstimo pessoal que você deve ficar longe! O empréstimo pessoal dos grandes bancos, aquele que é de fácil acesso, e você podem solicitar por meio da conta online é um dos mais caros do mercado.

Mesmo contando com um bom relacionamento junto a instituição financeira, o juro cobrado através de tal linha de crédito pode chegar à casa dos 6% ao mês!

Em questão de um ano, é possível que você tenha que desembolsar nada mais nada menos do que 72% em encargos e juros! Essa taxa é muito alta, pode ter certeza!

E mesmo que você venha a ter um bom relacionamento com a instituição financeira, é possível que os encargos desse tipo de linha de crédito venham a ficar na casa dos 4% ao mês!

Essa taxa é menor mais ainda continua sendo muito alta! Por mais que o empréstimo pessoal seja uma das linhas de crédito mais acessíveis do mercado, a taxa de juro cobrada pela mesma é muito alta e deve ser evitada a todo custo.

Se você já possui um empréstimo pessoal, então é preciso analisar outras linhas de crédito a fim de substituir a atual.

Lógico, dê uma conferida na taxa de juro cobrada em seu atual empréstimo pessoal. Se a taxa de juro for inferior a 2% ao mês, então o juro está bom.

Se for superior a isso, você pode encontrar taxas mais interessantes.

O Cheque especial!

Por se tratar de uma linha de crédito na qual a pessoa não precisa dar satisfações sobre “qual é o motivo do gasto” ou coisa do gênero, acredito que o cheque especial também se encaixa em uma forma de empréstimo pessoal.

Pois bem, você deve evitar esse tipo de linha de crédito a todo custo! O cheque especial é um dos empréstimos que pode complicar muito a sua vida financeira!

Muitas pessoas acabam se perdendo a partir do momento em que pisam no cheque especial! Mas por que isso?

Devido a sua alta taxa de juro! O cheque especial pode chegar a marcas dos surpreendentes 200% ao ano!

Essa taxa transforma o juro cobrado pelo empréstimo pessoal dos grandes bancos em uma “brincadeira”.

Se por um lado o empréstimo pessoal é uma linha de crédito de fácil acesso o cheque especial é ainda mais fácil de ser acessado.

Para conseguir colocar as mãos no valor do cheque especial, você só precisa deixar a sua conta ficar “negativa”.

Sim, ao utilizar mais recursos, recursos que vão além do seu saldo, o banco vai passar um alerta ao cliente mencionando que o cheque especial será acionado.

Pronto! A partir desse momento o cliente poderá arcar com uma das taxas de juro mais altas do mercado.

É fato que existem bancos que concedem uma isenção ao valor do cheque especial também. Essa isenção é limitada até algum período. Por exemplo, o cliente caiu no cheque especial, porém consegui compensar o valor em até 10 dias, então não haverá encargos sobre o valor utilizado.

O banco Santander tem um serviço semelhante, isentando o cliente que conseguir compensar o valor utilizado em até 15 dias.

Mesmo assim, fique esperto! O cheque especial pode ser a luz no final do túnel em determinado momento, porém, ele também pode ser a causa de problema futuros.

Caso você já esteja sofrendo os danos provocados pelo grande encargo gerado pelo cheque especial, você pode procurar por novas linhas de crédito e trocar a forma da dívida.

Ao invés de ficar no cheque especial  você pode optar por um consignado, por exemplo. O consignado, geralmente, possui encargos que giram em torno dos 2% ao mês! Bem inferior à taxa do cheque especial!

Parcelamento do cartão de crédito!

Outra linha de crédito cara é o parcelamento do cartão de crédito. Também considero o parcelamento do cartão como uma espécie de empréstimo pessoal.

Da mesma forma que acontece com o empréstimo pessoal e o cheque especial, o parcelamento do cartão pode ser facilmente utilizado.

Quando sua fatura do cartão de crédito é fechada, o cliente possui a opção de pagar o valor integral da fatura, ou é possível pagar uma parcela do valor, ou parcelas do valor total da fatura.

Ao optar pela segunda ou terceiras opções, o cliente terá que arcar com o saldo do valor a pagar. Esse saldo pode ser parcelado dentro de uma linha de crédito do próprio cartão.

Tudo parece ser muito interessante não é mesmo? Muito prático! Mas tudo isso ocorre em troca de uma alta taxa de juro!

Da mesma forma que ocorre com o cheque especial, o parcelamento do cartão de crédito também cobra de seus usuários uma taxa de juro acima dos 200% ao ano!

Encargo que pode colocar você em apuros! Novamente, se você já está com saldo no parcelamento do cartão de crédito, veja o quanto antes a troca dessa dívida!

Tente pegar um valor por meio do consignado, valor que seja suficiente para quitar o seu débito, dessa forma você poderá trocar os juros de um empréstimo mais caro por algo mais barato!

DICAS PARA CONSEGUIR O EMPRÉSTIMO PESSOAL IDEAL

Será que é possível conseguir um empréstimo pessoal mais em conta? Sim! É possível! Mas você vai precisar trabalhar alguns aspectos do seu perfil junto ao banco.

Que aspectos seriam esses? Será preciso manter uma boa relação com a instituição financeira, se manter sempre em dia com os pagamentos e demais obrigações, além de concentrar  grande parte de suas operações junto à instituição.

A boa relação com o banco seria uma das primeiras dicas para conseguir um empréstimo pessoal ideal!

Construir uma boa relação com o banco!

O banco ganha dinheiro vendendo produtos financeiros, é isso! Basicamente é isso mesmo! O banco precisa manter bons clientes, assim a instituição tem a chance de realizar bons negócios, faturar com isso e ainda de quebra não ter problemas relacionados à inadimplência e coisas do gênero.

Mas como construir essa boa relação com o banco? O cliente pode solicitar um cartão de crédito da instituição, ou, de repente um cartão de débito já pode ajudar.

Já existem alguns bancos que trabalham com cartões de crédito isentos de anuidade, ou com alguma forma de isenção, por exemplo, o Santander trabalha com uma condição em um de seus cartões.

Se o cliente gastar um determinado valor mensalmente na função crédito, não haverá a cobrança de anuidade sobre o mesmo.

Isso é uma boa, e não é difícil de conseguir. Todo mundo possui gastos mensais, sendo que o cartão de crédito pode ser utilizado para pagar tais despesas.

Bom, se você não quer contar com um cartão de crédito, por qualquer motivo, então sugiro tentar utilizar o cartão de débito.

As compras feitas por meio do cartão de débito vão cair automaticamente em sua conta corrente. Sendo assim, o cliente não precisa se preocupar com as contas, uma vez que o débito só será liberado caso a sua conta tenha fundos.

Lembrando que se você contar com o limite do cheque especial, então é possível que os valores que caírem possa vir a utilizar o cheque especial (isso pode acontecer se o cliente não contar mais com saldo na conta).

Outra forma de construí uma boa relação com o banco é utilizando outros serviços e produtos financeiros, como os planos de previdência ou os panos de seguro residencial, de carro e até de vida.

Todos esses planos possuem suas vantagens. Atualmente os bancos vêm iniciando uma movimentação de isenção de taxas para os seus clientes.

Essa isenção de taxas acertou alguns produtos bancários, como é o caso dos planos de previdência. Bancos como o Itaú, que cobravam dos seus clientes a taxa de carregamento, atualmente não cobram mais.

Portanto o plano de previdência do banco Itaú se tornou algo interessante (lógico, fique de olho nas taxas administrativas e afins).

Além do plano de previdência, o cliente pode verificar os seguros que os bancos oferecem também.

Dificilmente alguém que possui um carro novo fica sem o seguro, não é mesmo? Então, antes de fechar o seguro com alguma seguradora, análise as condições que os bancos oferecem.

Botando essa estratégia em jogo será mais fácil conseguir barganhar alguma redução nas taxas aplicadas em produtos, como o empréstimo pessoal.

Desse modo, você vai conseguir um empréstimo pessoal ideal! Com taxas de juro mais em conta, de repente, ao invés de contar com um empréstimo pessoal cobrando juros de 6% ao mês, o cliente consiga algo próximo dos 4% ao mês.

Ainda sim é uma taxa muito alta! Se o cliente quiser, existe ainda outra forma de conseguir aquele crédito pessoal ideal.

Empréstimo consignado

O empréstimo consignado também pode ser considerado uma espécie de empréstimo pessoal. Por se tratar de uma linha de crédito com juros mais baixos, considero o empréstimo consignado como ideal!

No consignado o juro dificilmente passará dos 3% ao mês. Sendo que normalmente, as instituições financeiras trabalham com juros na casa dos 1,8% ao mês, ou pouco mais, ou até menos.

Mas como ter acesso ao consignado?

Para conseguir acessar essa excelente linha de crédito, a sua empresa, ou melhor, a empresa onde você trabalha deverá ser conveniada ao banco que está lhe concedendo o crédito.

Esse convênio deve existir uma vez que as parcelas do consignado serão debitadas diretamente do seu salário.

Ao invés de receber o seu salário cheio, você receberá o seu salário menos a parcela do consignado.

Dessa forma a instituição financeira vai garantir os seus pagamentos. Com essa garantia, o banco pode conceder juros menores, compreendeu?

Resumindo; para conseguir o consignado, a primeira coisa que você deve analisar é se a sua empresa possui convênio junto ao determinado banco.

Se não houver convênio veja quais são as possibilidades de conseguir o crédito. De repente um trato entre a empresa e o banco, de forma única sem convênio já basta para conseguir o consignado.

Se isso não for o suficiente então é preciso avaliar o crédito de outro banco. Quem sabe, procurar  banco que já possui convênio junto à empresa onde você trabalha.

Lembrando que no caso do consignado, você não vai conseguir a liberação imediata do dinheiro.

Será preciso realizar uma solicitação, análise de crédito, verificar o convênio e afins. Aí sim, depois disso tudo, você receberá os recursos.

Através do empréstimo pessoal oferecido pela internet (por boa parte dos bancos), você provavelmente já recebera os recursos, em questão de minutos.

Possui garantias?

Outra forma de conseguir aquele empréstimo pessoal ideal é utilizando garantias! Existem bancos e instituições financeiros menores que oferecem a possibilidade de adicionar alguma garantia junto à operação de crédito.

Desse modo o cliente pode conseguir uma boa redução na taxa de juro. Talvez a o juro fique bem próximo das taxas praticadas nos consignados por exemplo.

Bom à garantia pode ser desde um carro até o seu imóvel. Existem instituições financeiras que recebem como garantia os seus investimentos também.

Porém, geralmente, quando a pessoa está precisando de dinheiro, uma das coisas que ela não tem na hora são recursos aplicados em algum ativo.

Por isso, é mais comum utilizar veículos e imóveis como garantia. A taxa de juro negociada junto aos empréstimos com garantia pode variar bastante, mas geralmente gira em torno dos 2% e 4% ao mês.

Compare 5 opções de empréstimo pessoal online

Todo banco quer emprestar! Você pode ter certeza disso! Um dos principais negócios dos bancos e demais instituições financeiras é o empréstimo de dinheiro.

Além do empréstimo existe o financiamento, os investimentos, enfim, vários produtos. Mas, ao menos, no Brasil, os empréstimos são responsáveis por boa parte dos lucros dos banqueiros.

Atualmente o mercado brasileiro está um tanto quanto concentrado em 5 grandes bancos. Porém isso vem mudando um pouco de figura.

Várias instituições vêm abrindo as portas, oferecendo os serviços financeiros através da internet Sendo que um desses principais serviços é a concessão de empréstimos!

Observando que existe uma variedade cada vez maior, nada melhor do que fazer uma pesquisa, não é mesmo?

Vamos analisar as 5 opções de empréstimo pessoal que existem no mercado!

1) Empréstimo pessoal dos bancos convencionais.

Uma das grandes vantagens que os bancos convencionais possuem é a conveniência! Tanto faz, se o cliente utiliza os serviços do banco por meio da internet, ou se a pessoa acaba utilizando mais os serviços na agência.

Os bancos que possuem as agências em (praticamente) todas as cidades do Brasil possuem maior conveniência.

Portanto, antes de tudo, se uma pessoa tem o interesse em captar recursos por meio de um empréstimo, é possível que a pessoa acabe visitando a agência de um grande banco ao invés de procurar opções na internet.

Outra boa vantagem que os grandes bancos possuem em cima das demais instituições financeiras está ligada a praticidade.

Boa parte das pessoas no Brasil possui conta nesses grandes bancos (Santander, Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Caixa).

Sendo que para conseguir se tornar cliente desses bancos, geralmente é solicitado ao cliente em potencial um comprovante de renda.

Com esse comprovante de renda o gerente do banco pode libertar para o cliente várias coisas, dentre elas a possibilidade de adquirir empréstimo pessoal, cheque especial e até um cartão de crédito.

O cliente consegue acesso a esses produtos, uma vez que a comprovação de renda fornecerá a possibilidade de contar com crédito pré-aprovado no banco.

Lógico, além da análise de renda, o gerente ainda vai conferir outros dados, mas a comprovação de renda é importante nessa hora.

Por mais que existam várias vantagens, existe uma grande desvantagem! O juro cobrado pelo empréstimo pessoal dos grandes bancos pode desencorajar qualquer um!

Na grande parte das vezes, os grandes bancos acabam praticando juros de até 6% ao mês para os empréstimos pessoais.

Essa taxa de juro pode variar ainda. Por exemplo, para clientes que já possuem um histórico com o banco, é possível que o empréstimo seja negociado com uma taxa menor!

Se o cliente já possui algum produto financeiro com o banco, é possível que a relação entre o cliente e o banco faça uma diferença na hora de negociar a taxa de juro.

Resumindo; a praticidade e conveniência dos empréstimos oferecidos pelos grandes bancos, é muito atraente, porém o juro, não é nem um pouco interessante!

2) Empréstimo pessoal de bancos menores

Os bancos menores, como o banco Sofisa, Intermedium Agibank, entre outros também possuem o empréstimo pessoal! Inclusive as cooperativas de crédito!

Talvez a nomenclatura não seja bem essa, mas na grande maioria, esses bancos possuem linhas de crédito semelhantes.

Mas quais seriam as diferenças? Bom uma das principais diferenças é a forma de conseguir o empréstimo.

Por exemplo, através da conta do banco Sofisa, por meio da conta de investimento, o banco oferece uma espécie de empréstimo pessoal.

Esse produto é parecido após o cliente começar a investir no banco. Então se você depositar e investir algo em torno de R$ 1.000,00, uma linha de crédito vai aparecer e você poderá utilizar.

Os juros cobrados por tal linha de crédito é bem em conta comparado aos juros praticados pelos grandes bancos.

Se s instituições maiores oferecem juros na casa dos 6% ao mês, os bancos menores cobram algo em torno do 1% a 2%!

Lógico que nesse caso em específico, existe a contrapartida de manter algum valor investido no banco.

Para conseguir empréstimos sem precisar aplicar recursos, o cliente provavelmente irá precisar comprovar a renda de alguma forma.

Resumindo; os bancos menores precisam oferecer taxas menores para conseguir atrair mais clientes! Então é natural que haja tal diferença entre os bancos (grandes e menores).

3) Financeiras

Além dos bancos convencionais, existem as financeiras! As financeiras são menores do que os pequenos bancos. Ou seja, as financeiras são as menores instituições.

Nesse segmento existem várias financeiras que reduzem a burocracia do processo para conceder crédito além de praticar taxas menores (do que a média do mercado).

Financeiras como a Geru oferece crédito com juros entre os 2% a 5% ao mês! No próprio site o cliente conta com a possibilidade de realizar uma simulação dos valores.

4) Empréstimo pessoal para negativados

Uma das formas para sair do Serasa, ou para limpar o nome é por meio de um novo empréstimo!

Parece uma coisa estranha, mas um novo empréstimo pode lhe garantir valor suficiente para quitar as obrigações, ou pelo menos, pode conceder um pouco mais de fôlego.

Existem financeiras e até bancos que trabalham com linhas de empréstimo pessoal para pessoas endividadas.

Essas linhas de crédito em grande parte não fazem análise de crédito, portanto é mais fácil e conseguir acesso ao empréstimo.

O ponto negativo aqui fica por conta das taxas praticadas. Dependendo da instituição a taxa pode ser bem elevada passando até dos 10% ao mês!

5) Empréstimo pessoal com garantias

Já falamos de bancos, como o Sofisa que oferece empréstimo ao cliente a partir do momento em que o mesmo possui valores investidos no banco.

Esse investimento, tecnicamente funciona como se fosse uma garantia, mas existem outras financeiras que oferecem empréstimos com garantia de imóveis ou veículos e assim, conseguem baixar os juros cobrados em cima dos valores.

Uma dessas financeiras é a Creditas! Através da Creditas o cliente pode oferecer o seu veículo ou um imóvel como garantia.

Com essa garantia, o cliente terá uma linha de crédito com taxa de juro na casa dos 1,80% ao mês!

Crédito Pessoal saiba mais sobre esse empréstimo!

Uma das linhas de crédito com o acesso mais simples, o empréstimo pessoal poder solicitado por qualquer pessoa.

Dependendo da instituição, o empréstimo pode ser liberado até para pessoas que possuem o nome no Serasa, por exemplo.

Mas antes de dar continuidade ao artigo, o leitor sabe como conseguir acesso a essa forma de empréstimo?

Como conseguir acessar o empréstimo pessoal?

Não é nada muito difícil, inclusive você já pode ter acesso a esse tipo de crédito e nem sabe. Para conseguir verificar se o empréstimo pessoal está liberado para você, o cliente pode acessar a conta do seu banco (tudo isso pode ser feito através da internet).

Já dentro da conta, o cliente pode  fazer uma consulta na área de empréstimos e financiamentos. Se tudo estiver certo com o cadastro do cliente, é possível que já haja uma opção de empréstimo pessoal na área.

Desse modo, se houver necessidade o cliente já pode solicitar o empréstimo! É possível que o valor já seja disponibilizado em questão de segundos.

Mas como conseguir o crédito pré-aprovado?

Para conseguir acesso a qualquer tipo de empréstimo, ou linha de crédito, o cliente precisa passar por alguma espécie de análise.

Bom, na grande parte das vezes, ao abrir uma conta corrente o gerente do banco acaba solicitando um holerite, ou algum documento que comprove a renda do cliente.

Com esses dados em mãos, logo após a abertura da conta, e posteriormente, com acesso a mesma, o cliente já pode verificar se existe uma linha de crédito.

É bem provável que além do empréstimo pessoal, o cliente tenha (liberado na conta) limite no cheque especial além de um cartão de crédito pré-aprovado!

Caso o cliente não tenha um holerite, então tente realizar a comprovação de renda por meio da declaração de imposto de renda!

Querendo ou não, existem várias pessoas que acabam trabalhando como autônomos. A única forma de conseguir comprovar renda é por meio da declaração de imposto de renda.

Se mesmo assim, a pessoa não conseguir, então tente utilizar o fluxo que possui em outra conta sua.

Por exemplo, se você só possui uma conta poupança, mas na mesma, recebe periodicamente valores, então tente usar esse extrato para conseguir comprovar a renda.

Lógico, antes de tudo isso, veja junto ao gerente de conta, se existe a necessidade. É bem provável que algum documento desses sirva. O holerite é certeza!

Só mais um detalhe, é possível que o banco solicite não só um holerite, mas os últimos 3, ou algo do gênero. O banco acaba solicitando tal quantidade para complementar a análise de renda.

Depois de conseguir comprovar a renda, o cliente provavelmente terá uma linha de crédito pré-aprovada.

Ou seja, será possível pegar o empréstimo pessoal sem grandes problemas, através de um processo bem pouco burocrático! Mas como funciona isso?

Como solicitar o empréstimo pessoal?

O processo para solicitar o empréstimo é algo bem tranquilo! Primeiro o interessado deve acessar sua conta através da plataforma online do seu banco.

Lá haverá várias áreas, com certeza o seu banco terá alguma área denominada de empréstimos e financiamentos, crédito ou coisa similar.

Ao entrar nessa área, lá haverá várias opções de crédito. O cliente deve procurar por empréstimo pessoal.

Essa nomenclatura de empréstimo pessoal, geralmente é a mais utilizada. Ao identificar a linha de crédito, o cliente pode realizar simulações antes de aderir ao empréstimo.

Por exemplo, o cliente pode analisar o valor que vai adquirir e em quantas parcelas poderá pagar. Dependendo da relação do cliente junto ao banco, a instituição poderá liberar 24 parcelas, 36, ou até mais!

Outra coisa que vai contar bastante é a sua renda. Lembra-se da análise de crédito? Os seus dados foram analisados e agora, provavelmente fazem parte do banco de dados do banco.

Sendo assim, é bem provável que a sua renda interfira na aquisição da linha de crédito. Principalmente no que tange as parcelas.

Tecnicamente, o valor das parcelas não pode ultrapassar uma porcentagem da sua renda. Por exemplo, os seus financiamentos e empréstimos não podem ultrapassar 40% da renda.

Então, ao adquirir uma linha de crédito mais alta, o valor em poucas parcelas pode acabar ultrapassando tal margem, e assim, será preciso parcelas em mais vezes.

Isso a própria simulação já vai trazer. Outro detalhe que o cliente deve ficar atento é com relação ao juro cobrado pela linha de crédito.

O empréstimo pessoal não é uma das linhas de crédito mais em conta do Brasil. Na verdade, o empréstimo pessoal fica no meio.

Boa parte dos bancos oferece aos seus clientes linha de crédito que cobram até 6% de juros ao mês! Ou seja, mais de 72% de juros ao ano!

Só para comparação, as linhas de crédito mais em conta, geralmente são os empréstimos consignados e aqueles que possuem garantias.

Nesse caso, essas linhas de crédito trabalham com taxas de juro na casa do 1% até 3% ao mês. Bem menor do que o empréstimo pessoal!

Depois, os empréstimos mais caros ficam por conta do cheque especial e do parcelamento do cartão de crédito. Ambas as linhas de crédito trabalham com taxas de juro que podem superar os 200% ao ano!

É possível baratear o empréstimo pessoal?

Sim! Mas tudo vai depender do relacionamento que o cliente tem junto a instituição financeira!

Para conseguir um empréstimo pessoal com juros menores, o cliente deve ter um bom histórico como pagador, além de manter algum produto financeiro do banco.

Por exemplo, vamos supor que o cliente tenha valores investidos no CDB do banco, além de ser um bom pagador.

Isso já poderia ser motivo para a instituição oferecer um empréstimo pessoal mais em conta. Outra coisa que pode ajudar a melhorar o relacionamento com a instituição é a movimentação bancárias.

Os bancos gostam de clientes que movimentam dinheiro por meio da conta. Dependendo dos níveis das movimentações, as mesmas podem ajudar o cliente a conseguir empréstimos mais em conta.

Para não haver necessidade de ir até a agência bancária, o cliente ainda tem a possibilidade de barganhar algum desconto pelo “0800” do banco!

Empréstimo Pessoal Online Sem Burocracia no Brasil

O juro nunca antes no Brasil esteve em um patamar tão baixo. A taxa Selic está estacionada em 6,5% ao ano, e tem tudo para terminar 2018 assim.

O juro baixo estimula a economia, principalmente na área de crédito. Está certo que boa parte das pessoas vem evitando pegar dinheiro emprestado, uma vez que existem muitas dúvidas com relação ao novo governo.

Ano de eleições é algo complicado, e todas as pessoas veem esse período com certa apreensão.

Mas se muitas pessoas querem evitar os empréstimos, existem outras que não, ou que não tem como evitar tal situação.

Então, qual seria a melhor alternativa de empréstimo? Vamos analisar!

Está com pressa?

Às vezes o dinheiro precisa ser liberado de um dia para outro, ou melhor, em questão de poucas horas! Mas qual opção de empréstimo me concede esse benefício?

O empréstimo pessoal pode ser liberado através da sua conta online! Isso mesmo! Praticamente todos os bancos, desde os maiores até aquelas instituições menores, possuem alguma linha de crédito pré-aprovada.

Sendo que tal linha, muitas vezes é o empréstimo pessoal! O cliente precisa comprovar a renda, e se submeter a todas às análises da instituição, e assim, o banco libera o crédito pré-aprovado.

Com esse crédito liberado, o cliente só precisa ir até a conta online, e solicitar o empréstimo pessoal.

Com alguns cliques o cliente consegue determinar o valor do empréstimo, em quantas parcelas ira pagar, e em que dia começará a pagar (e posteriormente vai continuar pagando suas parcelas).

Tudo muito fácil, sem burocracia, e com toda a praticidade que a internet tem a nos oferecer!

Não existe outra forma de empréstimo rápido?

Sim! Claro que existe, porém os custos serão maiores. Outras duas linhas de crédito que podem vir a ser utilizadas é:

  • Parcelamento do cartão de crédito
  • Cheque especial

As duas formas de crédito são extremamente caras. Aliás, são as mais caras do Brasil! Porém ambas são de fácil acesso.

Se o cliente possui crédito no empréstimo pessoal, provavelmente conta com um valor de cheque especial, e se possui cartão de crédito, é só deixar de pagar, ou escolher a opção de pagar o valor parcelado (da fatura), que pronto! Estará utilizando o crédito do cartão de crédito.

Mas como já mencionei as duas linhas de crédito são extremamente caras. O juro e encargos cobrados pelo cheque especial e o parcelamento do cartão de crédito podem ser tão altos, que muitas vezes ultrapassam a barreira dos 200% ao ano!

É praticamente dobrar o valor da dívida. Se você pegou R$ 1.000,00 no cheque especial, então, ao final de um ano, terá desembolsado algo em torno de R$ 3.000,00 para quitar sua obrigação! Isso se conseguiu quitar, uma vez que a dívida pode ser maior, e, portanto, parcelada em mais vezes.

Enfim, pegando todos os tipos de empréstimos que existem no mercado, o cliente não terá crédito mais barato que o empréstimo pessoal.

Mesmo o consignado, que é mais barato, não é disponibilizado com tanta facilidade. O cliente ainda precisará ir a uma agência bancária, e solicitar o mesmo, sem falar que a empresa onde trabalha precisa fazer um convênio com o banco, assim a instituição pode realizar os débitos das parcelas.

Custos e taxas do empréstimo pessoal

De todas as linhas de crédito que existem no mercado, o empréstimo pessoal está no “meio”. Quando me refiro ao “meio”, estou querendo dizer, que o empréstimo pessoal não é o mais caro, mas também não é o mais em conta.

Atualmente, se o leitor for abrir uma conta bancária, é possível que um empréstimo pessoal seja oferecido com uma taxa de juro próxima dos 6% ao mês.

Se o leitor comparar esses 6% ao mês, contra outras linhas de crédito verá que ela fica bem no meio.

O consignado é considerado um dos empréstimos mais baratos do mercado, podendo chegar a marca dos 2% ao mês, até menos.

Já o cheque especial, cartão de crédito, como mencionamos, pode alcançar a taxa de 200% ao ano! Coisa muito alta e extremamente danosa aos bolsos do cliente.

Por isso, o empréstimo pessoal é uma boa opção, ainda mais quando analisamos sua acessibilidade.

Mas ainda existe a possibilidade de conseguir uma redução na taxa de juro! Sim, um bom cliente, que possui cartão de crédito, consegue girar um bom valor na fatura todos os meses, e não está inadimplente com a instituição, pode conseguir uma redução na taxa de juro.

Querendo ou não, os bancos precisam de bons clientes, ainda mais quando o mesmo utiliza empréstimos e financiamentos, aí o banco quer fazer ainda mais negócios.

Por isso, é natural, com o tempo, que a taxa de juro do empréstimo pessoal seja reduzida, de repente não vai cair para o juro comparado pelo consignado, mas pode chegar aos 4% ao mês, quem sabe até menos!

Bancos menores

Os bancos menores também podem oferecer o empréstimo pessoal. Sendo que esse empréstimo pode ser negociado por taxas ainda menores!

Uma instituição que faz isso é o Banco Sofisa. O Banco Sofisa não possui agências em todos os lugares do Brasil, como o Itaú, Bradesco, e outros bancos.

Mas a abertura da conta pode ser feita online, sem haver necessidade de sair de casa! Através do seu computador, o interessado já pode fazer a conta.

Depois, com a conta já feita, e tendo acesso à mesma, o cliente pode começar a utilizar os serviços do banco.

Uma das modalidades de empréstimo pessoal do banco exige que o cliente tenha dinheiro aplicado no banco. Será o valor investido que vai servir como garantia para o empréstimo pessoal.

Ou seja, se o cliente precisar de recursos, é possível conseguir através da conta online, tudo de forma tão prática quanto nos grandes bancos.

Sendo que o juro cobrado por essa modalidade de empréstimo pessoal é ainda mais barata, podendo chegar a um juro de 2% ao mês!

O único problema dessa modalidade está relacionado ao dinheiro investido. É provável que se o cliente possui algum dinheiro, ele vai utilizar esse valor ao invés de pegar um empréstimo.

Mesmo assim, se haver a necessidade, e cliente não quer mexer nos valores aplicados, então esse tipo de empréstimo pessoal é uma boa.