Blog

Dicas para evitar o parcelamento do cartão de crédito

Época de final de ano pode se tornar um grande problema na vida de várias pessoas. Além de contar com o início de um novo ano, logo ali (e várias contas para começar a pagar) existem as compras de natal, e festas de encerramento para participar.

Então, nessa época, nada mais certo do que tomar todo cuidado possível com as compras sem exagerar!

Tentando ao máximo, comprar somente o necessário mantendo a fatura do seu cartão de crédito dentro dos limites.

Sendo que os seu limite deve ser considerado o dinheiro que recebe. Ou seja, sua renda! O bom mesmo seria gastar no máximo uma porcentagem de sua renda, e não ela toda. Mas antes disso, vamos um passo de cada vez,  o que podemos fazer para controlar melhor os gastos e assim evitar o parcelamento do cartão de crédito?

Anote tudo! Acompanhe a evolução da sua fatura!

Uma das primeiras coisas a se fazer é o controle de suas despesas no cartão. Isso pode ser feito de várias formas, mas uma das mais eficazes é a seguinte;

  • Anotar tudo aquilo que é gasto no cartão de crédito, inclusive compras parceladas;
  • E acompanhar a evolução da fatura junto à conta do cartão (na internet)

Desse modo não haverá erros. Esse acompanhamento serve para deixar mais “fino” o controle.

Se uma despesa escapar de suas anotações, ou de seu controle na “planilha”, por exemplo, quando você fizer o levantamento das despesas por intermédio de sua fatura, tudo estará lá. Assim você pode consolidar o seu controle, mantendo ele sempre atualizado e corrigido.

E não se esqueça! Compras parceladas também devem fazer parte da sua planilha de controle. Inclusive com a quantidade de parcelas e o valor total a pagar na próxima fatura. Isso pode lhe dar um horizonte de como ficará as próximas faturas!

Evite parcelar sua compra!

O parcelamento de compras pode trazer certa tranquilidade à pessoa que está comprando. Tranquilidade vinculada à redução da despesa inicial.

Ao invés de pagar, por exemplo, os R$ 2.000,00 de um computador, o cliente estará pagando algo próximo a R$ 200,00 por mês.

O que reduz bastante o gasto inicial. Porém essa redução no gasto inicial sugere um controle maior das contas ao longo de 10 meses.

Novamente, o parcelamento das despesas só oferece um apoio nas primeiras contas, ou melhor, na primeira fatura.

O cliente vai ter a sensação que a compra foi muito boa, uma vez que o parcelamento passa esse efeito, mas depois, ao longo das próximas parcelas, esse efeito vai acabar passando.

Se o controle é difícil, faça compras no débito!

Outra forma de conseguir se controlar, é optando pelo débito ao invés do crédito. Ao trabalhar com essa opção, você estará evitando que as compras fiquem todas as vencer na próxima fatura.

No débito, a sua compra cai na hora em sua conta. Lógico, tenha certeza que exista saldo em sua conta corrente, se não é possível que suas compras comecem a consumir o cheque especial! Isso pode ser tão perigoso quanto parcelamento do cartão!

Mesmo no débito, ainda seria interessante manter um controle sobre os gastos. Essa opção, de pagar as contas no débito, vai forçar de alguma forma, a pessoa a manter dinheiro na conta corrente, e assim, se manter atento ao gasto que cair lá.

Fique atento ao vencimento da sua fatura!

Outra coisa importante, que devemos nos manter atentos é o vencimento da fatura do cartão. Com o controle sobre esse vencimento, você poderá direcionar gastos, e até aguentar um pouco determinada despesa, para quando o vencimento passar, você realizar os gastos sabendo que eles vão aparecer só na próxima fatura!

O certo mesmo seria avaliar quando a sua fatura vence. Por exemplo, se a mesma está vencendo no meio do mês, lá pelo dia 15 ou de repente dia 20, por aí, você provavelmente não conseguirá ter um aproveitamento melhor dos valores das faturas.

Mas se a fatura vencer pouco antes do último dia de cada mês, então haverá um aproveitamento melhor, até porque, assim que termina o mês o seu controle financeiro vai fazer mais sentido.

Inclusive, o controle vai ficar mais fácil uma vez que o salário a receber, geralmente acontece até o 5º dia útil de cada mês.

Então, ao passar o vencimento da fatura para o final de cada mês (com o pagamento acontecendo no máximo até dia 10 do mês seguinte, por exemplo) o controle mensal vai ficar melhor, sem falar que desse modo a futura e seu salário vão quase que coincidir em mesmo período.

Poupar parte de sua renda e investir!

Poupar parte da renda e investir os valores em algum ativo que ofereça segurança e liquidez (além de rentabilidade) é essencial!

Haverá momentos em que alguma surpresa pode acontecer, algum gasto inesperado, e dessa forma, você terá que arcar com algumas despesas.

Quando você conta com reservas, esses gastos podem ser rapidamente absorvidos sem grandes problemas.

Sendo que nos meses seguintes, a rotina de poupar parte da renda vai oferecer condições a você de retomar o saldo poupado anteriormente.

Desse modo você estará seguro, e dificilmente algo vai prejudicar suas finanças. Mas poupar parte da renda não é o suficiente, você precisa investir esse dinheiro também.

O investimento pode ser feito de várias formas. Você pode aplicar seus recursos em letras do Tesouro Direto, como o  Tesouro Selic, ou até mesmo, em algum CDB.

O mais interessante são as letras do Tesouro Direto mesmo. As letras são bem seguras (estando entre os ativos mais seguros do Brasil) e possuem liquidez diária (só não podem ser negociadas fora de dias úteis, quando não for dia útil então o investidor pode agendar uma operação). Sendo que o rendimento dos papéis está de acordo com a média do mercado.

Resumindo; ao tomar todos esses cuidados e precauções, dificilmente você vai precisar recorrer ao parcelamento do cartão de crédito, ou qualquer outro tipo de crédito.

Como funciona a portabilidade?

A portabilidade é uma das ferramentas mais interessantes que existem quando o assunto é “trocar” de credor.

Com a portabilidade o usuário pode procurar por uma nova instituição que possua uma linha de crédito semelhante a já utilizada e assim, efetuar o transporte da dívida.

Desse modo todos ganham. A instituição que era credora vai repassar a dívida, e, portanto não terá que aguardar para receber o restante do dinheiro, por outro lado, a instituição que vai receber a dívida, e se tornará a credora vai conquistar um novo cliente!

Assim, os juros e demais encargos vinculados à dívida do novo cliente serão repassados a nova instituição, e o cliente, que estava pagando juros altos (em comparação a nova instituição) vai começará pagar menos pelo crédito. Todos ganham! Mas como esse procedimento realmente funciona?

Funcionamento da portabilidade de dívida

É muito simples! Tão simples que você provavelmente vai desconfiar. O cliente precisa ir até o banco onde vai migrar o crédito, entregar a documentação e solicitar a migração da linha de crédito.

Pronto! As instituições financeiras fazem todo o trâmite entre elas, e desse modo o cliente não precisa mais se preocupar. Em questão de alguns dias, o crédito já é migrado, e os pagamentos serão feitos na outra agência bancária.

Não há necessidade de enviar documentos de um banco para outro, assinar papeladas, aguardar por análises, todo o trâmite é feito entre os bancos e o cliente pode ficar tranquilo!

Avaliar outras opções antes da portabilidade!

O que muitos sugerem, antes de fazer a portabilidade, é realizar uma breve avaliação de outras opções de crédito na própria agência bancária.

O cliente pode muito bem adquirir uma nova linha de crédito. Com o dinheiro recebido, o cliente pode, então, pagar o saldo restante da linha de crédito (mais cara), e assim, trocar de dívida e continuar no mesmo banco.

Esse tipo de prática pode ser feita, e pode reduzir o trabalho do cliente. Até porque, assim, o cliente não precisa mais trocar de banco (por meio da portabilidade).

Uma das linhas de crédito que podem ser analisadas é o empréstimo consignado ou algum que ofereça a chance de colocar algo em garantia.

Desse modo, você pode conseguir uma boa redução nos juros. Vamos supor que você tenha um saldo no parcelamento do cartão de crédito.

Esse saldo é de algo próximo dos R$ 5.000,00, com o consignado o seu juro pode ser inferior aos 20% ao ano! Já, em outras linhas de crédito, como o parcelamento do cartão de crédito, ou o cheque especial, o juro pode alcançar fácil, fácil os 200% ao ano!

Já empréstimos que envolvam colocar algum bem com garantia, pode render uma linha de crédito com juros equivalentes a 30% ao ano, ou até menos.

Melhorar condições da atual linha de crédito

O cliente também pode tentar negociar junto ao banco, uma alternativa ara melhorar as condições do atual empréstimo ou financiamento (se o mesmo for de valor muito alto).

Às vezes, podemos estar tratando de um financiamento com um saldo ainda muito grande para ser pago, e isso pode gerar algumas dificuldades na hora de conseguir “trocar” de empréstimo com outro empréstimo (adquirindo outro).

Dependendo do saldo a pagar, realmente, você vai precisar negociar a linha de crédito antes de ver a possibilidade de adquirir um empréstimo para quitar o saldo remanescente.

Ao tentar negociar uma nova condição para o seu empréstimo, você pode tentar alterar alguns pontos do sua linha de crédito atual, dentre elas;

  • A quantidade de parcelas
  • O valor dos juros

Dependendo da situação, se você, por exemplo, possui dinheiro no bolso, e quer tentar pagar o empréstimo ou financiamento de forma mais rápida, você pode ver com o banco a redução das parcelas,

Desse modo você começa a pagar parcelas maiores, mas, sem um juro tão alto, ou sem necessidade de pagar tanto juro, uma vez que haverá menos parcelas.

Só nessa alteração, você já poderá ser capaz de reduzir bastante o tamanho dos encargos da sua linha de crédito.

Já a negociação para redução dos juros pode ser feita utilizando outras linhas de crédito como comparação.

Ao comparar outros empréstimos sou financiamentos, você pode trazer o argumento que o seu juro, poderia ser menor.

Dependendo de como a situação for evoluindo, uma eventual redução nos juros pode acontecer, e você nem mesmo vai precisar trocar de empréstimo ou mudar de instituição financeira.

Melhorar alternativa?

Acredito que você deva fazer tudo isso por etapas. Primeiro você deve analisar os juros que está pagando.

Se esses juros estiverem na casa dos 3% ao mês para cima, então, já podemos tentar fazer algo para reduzir os encargos.

Então, após identificar isso, você pode ir até o banco  e conversar com  seu gerente de conta. Tente fazer uma alteração no valor das  parcelas (diminuindo ou aumentando a quantidade das mesmas).

Caso você esteja com mais dinheiro na mão, veja a possibilidade de aumentar o tamanho das parcelas, e assim, começar a pagar um pouco mais para conseguir quitar a sua dívida.

Caso a situação seja o inverso, então tente ver uma redução dos juros comprando o empréstimo/ financiamento com os demais oferecidos pelo banco.

Se em nenhuma dessas situações você conseguir um resultado positivo, então é hora de tentar adquirir um novo empréstimo e com os valores dessa nova linha de crédito pagar o saldo restante do outro empréstimo e assim, efetuar a “troca”.

Se a sua situação se refere a um valor muito alto, ou o banco não está liberando o crédito, então, aí sim, você faz a portabilidade da linha de crédito para outra instituição.

Mas antes disso, faça uma pesquisa no mercado, avaliando quais são as condições dos empréstimos e demais linhas de créditos dos outros bancos.

Lembrando que o consignado e empréstimo que tenham garantia podem lhe render uma boa redução nos juros.

Após conseguir melhorar as condições do seu empréstimo chegou a hora de iniciar os pagamentos do mesmo. Para não haver qualquer tipo de problema, ou uma piora na situação, é interessante aumentar o controle em cima do seu orçamento.

Desse modo, quem sabe, um pouco mais de dinheiro não começa a “sobrar” e desse modo você até pode adiantar os pagamentos do empréstimo, e começar a poupar e investir parte de sua renda?

Regras do programa habitacional; “Minha casa Minha Vida”.

O principal programa habitacional do Brasil, o Minha Casa, Minha Vida é responsável por oferecer subsídios e facilidades a milhares de famílias que não teriam condições de comprar o seu imóvel.

Nesse artigo vamos explorar algumas regras que envolvem o principal programa habitacional do Brasil, o Minha Casa, Minha Vida;

Valor máximo para imóveis

Não são todos os imóveis que entram nesse tipo de programa habitacional. Por exemplo, você não pode financiar um imóvel avaliado em um milhão de reais por meio do Minha Casa, Minha Vida.

Em uma situação assim, quando você tenta comprar um empreendimento com um valor muito acima da média do mercado, as coisas costumam ficar mais difíceis, até porque, quem pode comprar uma residência assim geralmente possui condições de arcar com mais facilidade tamanho valor.

Enfim, qual é o valor máximo para imóveis serem aceitos no programa habitacional? Bom o limite pode depender de região para região, mas considerando o valor mais alto, dentro da faixa mais alta, imóveis de até R$ 225 mil reais são aceitos no financiamento por meio do Minha Casa Minha Vida.

Todo o sistema do Minha Casa Minha Vida funciona baseado em regiões (estados), além disso, existem ainda as faixas de renda dos interessados.

Tudo isso acaba influenciando o valor máximo dos imóveis que podem entrar no programa, por exemplo;

  • Faixa 1 – Renda de até; R$ 1.800,00/ Valor máximo do imóvel R$ 96.000,00/ Valor máximo do subsídio R$ 86.400,00.
  • Faixa 1,5 – Renda de até; R$ 2.350,00/ Valor máximo do imóvel R$ 135.000,00/ Valor máximo do subsídio R$ 45.000,00.
  • Faixa 2 – Renda de até; R$ 3.600,00/ Valor máximo do imóvel R$ 225.000,00/ Valor máximo do subsídio R$ 27.500,00.
  • Faixa 3 – Renda de até; R$ 6.500,00/ Valor máximo do imóvel R$ 225.000,00/ Valor máximo do subsídio; Não há.

Conseguir um imóvel que está na primeira faixa, é algo, praticamente impossível. Dificilmente alguém consegue construir e vender um imóvel por um valor tão baixo.

Na região sul, por exemplo, as moradias menores, são vendidas pelo preço médio de R$ 150.000,00. Valor que já fica bem acima da primeira faixa, e pouco acima da segunda. Só havendo possibilidade de financiar através da faixa 2.

Mas ainda sim, você terá que avaliar se em sua região, estado e cidade trabalham com esses valores para cada faixa. Existe uma diferença por região, mas em números próximos, os dados apresentados aqui, são semelhantes, e podem ser utilizados como uma referência.

Posso comprar  dois imóveis através do; Minha Casa Minha Vida?

Não! Infelizmente você não vai conseguir o financiamento se já possui um imóvel em seu nome, ou se está trabalhando com um financiamento.

Muitas vezes, as pessoas acabam tendo em seu nome algum imóvel, como por exemplo, do pai, de algum familiar, enfim, às vezes pode acontecer de estar em seu nome, um imóvel que você nem utiliza.

Mesmo em uma situação assim, você não vai conseguir entrar no financiamento do Minha Casa, Minha Vida.

E caso você já esteja dentro d um financiamento de uma casa, você também não conseguirá entrar no Minha Casa, Minha Vida.

Lógico, a menos que você saia do atual financiamento e tente conseguir entrar no Minha Casa Minha Vida.

A compra de dois imóveis por meio do financiamento federal, também não é possível. A pessoa só tem direito de entrar e financiar um imóvel.

Posso comprar um imóvel através do financiamento e depois locar o mesmo?

Não! Esse tipo de prática não é legal e pode lhe render grandes problemas. Uma das grandes vantagens do Minha Casa, Minha Vida é a questão do subsídio, além dos juros baixos.

Comparado aos preços e taxas praticados pelo mercado, o Minha Casa Minha Vida é algo “fenomenal”, porém, não é para ser utilizado com fins para negócios imobiliários, do tipo; “comprar um imóvel e locar o mesmo, para receber os aluguéis”.

Para aqueles que têm o interesse de se aproveitar das excelentes condições do Minha Casa Minha Vida e pretendem, dessa forma, conseguir comprar um imóvel para alugar, podem esquecer. Se os órgãos competentes, ou a própria Caixa descobrir, você provavelmente vai perder os benefícios do financiamento, além de ter que devolver os valores subsidiados.

Taxa de juro é interessante?

Bastante! A taxa de juro oferecida pelo programa habitacional, Minha Casa, Minha Vida está entre as melhores do mercado (se não a melhor).

Na primeira faixa de renda, para aqueles que possuem renda de até R$ 1.800,00 a taxa de juro é de zero!

Ou seja, além de receber o subsídio do governo federal, a família pode se beneficiar de parcelas a custo zero! Excelente negócio.

Para aqueles que possuem um pouco mais de renda, a taxa de juro fica na casa dos 5% (são aqueles que se enquadram na faixa 1,5).

Depois temos as famílias que se enquadram na faixa 2, e podem se beneficiar de uma taxa de juro que fica entre os 5% até os 7%.

Outra taxa muito interessante. Você deve levar em consideração que essas linhas de crédito, habitacionais, oferecidas pelos bancos privados e demais instituições são bem caras, tendo juros acima dos 10% ao ano!

Por último temos a faixa 3 que é a última. Nela as famílias que recebem até R$ 6.500,00 podem se beneficiar de taxas de juros de até 8,6% ao ano. Ainda sim, é uma ótima taxa de juro!

Com todas essas regras, vale a pena entrar no Minha Casa, Minha Vida?

Sim! Com certeza! Para conseguir comprar o  imóvel dos sonhos e sair do aluguel, o Minha Casa, Minha Vida é uma “mão na roda”!

Sem falar que as condições e até o subsidio do governo federal, para comprar o imóvel, são relevantes.

Na primeira faixa do programa, famílias podem comprar o imóvel, praticamente, todo subsidiado, e ainda sim, as parcelas que faltam podem ser pagas com juros zero.

Sem esquecer que o valor remanescente, pode ser quitado em até 120 parcelas (na primeira faixa) com parcelas de no máximo R$ 270,00 ao mês.

Enfim, se você se enquadra nas exigências do programa, e ainda não conta com a casa própria, dê uma olhada no Minha Casa Minha Vida!

5 estratégias para evitar as dívidas!

O ano de 2018 já está acabando! Nada melhor do que terminar bem 2018 é começar 2019 com dinheiro no bolso, não é verdade!

Mas para isso, nós precisamos iniciar o ano sem dívidas, ou com alguma estratégia para evitar se meter em dívidas logo no início do ano! Então o que fazer? Nesse artigo vamos explorar 5 estratégias para evitar as dívidas!

Não gasta 100% do seu salário!

Evite a todo custo gastar os 100% do seu salário! Conseguindo guardar parte da sua renda mensal, você pode evitar se comprometer a mais do que o necessário e ainda, pode iniciar uma reserva.

Quando a pessoa gasta tudo que recebe, qualquer tipo de gasto a mais, ou de emergência pode comprometer a pessoa!

Dependendo da dimensão do gasto, a pessoa pode se ver obrigada a adquirir um empréstimo, ou quem sabe até recorrer a linhas de crédito perigosas, como o parcelamento do cartão de crédito e até o cheque especial.

Com o intuito de evitar esse tipo de situação, o bom mesmo seria gastar no mínimo 5% a menos do que recebe mensalmente, e de tempos em tempos, tentar aumentar essa margem até chegar a algo próximo dos 15%, por exemplo.

Desse modo, impactos referentes a gastos extraordinários poderão ser absorvidos com mais tranquilidade, sem falar que no caso de eventuais gastos acima da média (bem acima) você poderá  utilizar parte das reservas já preservadas (os valores poupados nos meses anteriores).

Então não espere algo acontecer! Comece sua reserva preservando parte de sua renda hoje mesmo!

Controle bem os seus gatos no cartão de crédito!

O cartão de crédito pode ser algo muito prático para as pessoas. Através do cartão, as pessoas não precisam mais carregar dinheiro para lá e pra cá.

As compras podem ser feitas de forma prática e fácil, nem carregar mais moedas, você precisa. Tudo pode ser feito através do cartão de crédito.

Talvez, nessa praticidade extrema, more o grande perigo! Muitas vezes as pessoas acabam se perdendo com o cartão de crédito, e comprando mais do que poderiam adquirir ao longo de um mês, e até durante o ano.

Ao começar a comprar sem controle algum, no final do mês, ou quando a fatura do cartão fechar, a pessoa terá um grande susto e um possível problema.

Muitas vezes os cartões acabam oferecendo um limite maior do que a própria renda do cliente. Se isso acontecer, o cliente facilmente poderá acabar utilizando mais dinheiro do que deveria, ou seja, no final, quando a fatura fechar, o valor da mesma pode ser superior à renda do cliente.

Desse modo, a única solução será correr atrás de um empréstimo, ou coisa pior, do parcelamento do cartão de crédito!

Na tentativa de evitar esse tipo de situação, você pode tomar diversas atitudes. A mais brusca, talvez, e o cancelamento do cartão. Mas é possível construir um controle!

Por meio do controle, pode ser em uma planilha eletrônica, ou quem sabe até um caderno, o cliente poderá adicionar os valores pagos através do cartão e analisar se o gasto do mês já chegou ao valor de sua renda.

Desse modo você, inclusive pode instituir um limite e uma margem de segurança. Desse modo, não haverá problemas com a utilização do seu cartão de crédito.

Não faça muitas parcelas no cartão de crédito!

Ao reduzir ou até zerar as compras parceladas, o risco de contrair uma dívida cai bastante! Se gastando através do cartão de crédito a pessoa já pode perder o controle, e gastar mais do que consegue arrecadar, imagina se no meio dessas despesas existem pagamentos parcelados?

O parcelamento no cartão de crédito também é algo que traz mais conforto para os clientes, sem falar que através dessa forma de compra, muitas pessoas conseguiram comprar determinados produtos e serviços com mais facilidade.

Porém, ao utilizar essa forma de pagamento sem responsabilidade é possível que novas compras parcelas surjam, e assim, a pessoa pode acabar se endividando.

Para evitar esse tipo de problema, anote tudo! E faça um controle mais rigoroso de suas receitas. Só assim, será possível identificar qual é o valor máximo de despesas que você poderá ter ao mês.

Com um controle detalhado, ficará mais fácil para você criar limites e regras com relação a utilização da modalidade “parcela” do seu cartão de crédito.

Faça um limite para “tantas” compras que podem ser parcelas, o resto, deverá ser pago em uma única parcela.

Evite comprar utilizando o crediário de lojas!

Mesmo havendo uma facilidade enorme para aquisição do cartão de crédito, muitos estabelecimentos ainda oferecer o famoso crediário, e muitas pessoas continuam utilizando essa forma de pagamento.

O crediário nada mais é do que uma espécie de crédito que determinado loja lhe passa para comprar algum produto ou serviço.

O problema do crediário, é que o mesmo vem com juros embutidos. Assim, uma compra que será parcelada em 6 vezes, poderá contar com um valor 10% superior, ou quem sabe até maior.

Então evite comprar com o crediário das lojas. Se você não contar com o valor total da compra, tente postergar e juntar o montante necessário.

No final, se você fizer o crediário, as despesas com a compra podem comprometer até o seu orçamento!

Invista parte do seu dinheiro!

Por último, mas não menos importante! Invista o dinheiro poupado! Só assim você conseguirá extrair benefícios do dinheiro poupado.

A primeira coisa, mais importante é poupar! Se você consegue poupar parte da renda, se considere um vitorioso já!

Contando com tais recursos na mão, ou em sua conta, agora você deverá avaliar algum investimento que seja seguro, tenha liquidez e possa lhe oferecer rendimentos compatíveis à média do mercado.

Uma boa opção que agrega todas as características citadas é o Tesouro Direto, mais precisamente a letra Tesouro Selic.

Através dessa letra do programa de investimentos do Tesouro Nacional, o investidor terá condições de iniciar uma “poupança” e assim, levantar recursos para investir em novos ativos, quem sabe construindo uma carteira e alcançando a independência financeira!

Quanto tempo leva para aprovação do financiamento para carro?

O tempo para conseguir a liberação do financiamento pode mudar de instituição para instituição, de bem a bem, e até de cliente a cliente. É complicado determinar um tempo exato para conseguir colocar as mãos no financiamento.

Mas em grande parte, a liberação do financiamento não demora mais do que 1 dia, ou melhor, do que horas.

Em grande parte, o financiamento pode ser liberado entre 6 a 12 horas. Então, se você pretende contratar um financiamento, veja o financiamento com antecedência, para conseguir dar agilidade ao processo.

Como agilizar a aprovação do financiamento?

A compra de um veículo de valor menor, ou um financiamento que exige uma captação menor de dinheiro, pode dar mais rapidez ao processo.

Quando você for procurar por um veículo de valor maior, e que exija um financiamento de alto valor, com muitas parcelas, é provável que a instituição financeira acabe levando mais tempo para conseguirá analisar e liberar.

Portanto, se você tem pressa para conseguir fechar o financiamento, é interessante trabalhar com um financiamento menor.

Para isso, dê uma entrada maior no seu veículo. Ou de repente, se a concessionária estiver oferecendo um financiamento sem juros, tente captar esse financiamento.

É provável que o financiamento sem juros tenha requisitos que se forem cumpridos, a l liberação do crédito pode ocorrer “quase que instantaneamente”.

Geralmente, financiamentos sem juros exigem entradas altas, acima dos 50% do valor do veículo, então o valor do financiamento acaba sendo menor.

Se o veículo desejado for “popular”, então é provável que o valor do financiamento seja ainda menor.

Sem falar que, geralmente, uma das condições para conseguir o financiamento sem juros é pagar o financiamento em poucas parcelas. Talvez, no máximo, até 24 parcelas.

Financiamento com pequena entrada ou sem

Se você for comprar um veículo sem entrada, financiando todo o bem, é provável que o financiamento leve mais tempo para ser liberado.

Dependendo do histórico do cliente, o financiamento pode até não ser liberado. Na hora de analisar a liberação do crédito, as instituições financeiras geralmente levantam todos os dados dos clientes.

Desse modo, a liberação do crédito pode ainda levar mais tempo. Resumindo; quanto maior for o valor do financiamento, mais difícil e demorado pode ser a liberação do crédito.

Agora se o crédito necessário for menor, e o cliente aceitar uma quantidade de parcelas menor, então é possível que o financiamento seja liberado em questão de instantes.

Quantidades de parcelas!

O tempo para concluir o financiamento é algo que pesa nessa análise. Quanto maior for o tempo necessário para quitar o financiamento, maiores serão os estudos em cima de sua renda.

Querendo ou não, até o tempo empregado é levado em consideração nesse tipo de análise. Além de o cliente precisar cumprir com os pré-requisitos do financiamento, o mesmo terá que apresentar bons números e históricos de “bom pagador”.

Então, se você não tem pressa e preocupações em conseguir comprar o seu carro, pode tentar contratar o financiamento com mais parcelas possíveis.

Acredito que os bancos podem lhe oferecer condições de até 60 ou de repente 72 meses. O problema de fazer isso está relacionado aos juros embutidos no financiamento.

Teoricamente, quanto mais tempo durar o seu financiamento (parcelas) maior será os encargos com juros.

Se você optar por uma modalidade com menos parcelas, normalmente, o peso dos juros será menor.

Mas novamente, tudo isso deve ser avaliado pela pressa e necessidade do cliente. Ou melhor, o custo benefício.

Dependendo dos juros e até das condições, o cliente pode procurar por outras instituições financeiras.

Procure por outras instituições

Você pode encontrar uma instituição que lhe ofereça um financiamento com uma quantidade de parcelas maior, porém com juros similares aos outros bancos que só oferecem tal condição em menos parcelas.

Sem dúvidas, esse tipo de situação é um pouco difícil de acontecer, mas não é impossível! Sem falar que existem bancos que podem até trabalhar com alguma espécie de garantia.

Desse modo, os juros cobrados pelo financiamento podem ser menores! Existem até as financiadoras, instituições especializadas em crédito, elas podem oferecer condições melhores e mais fáceis aos clientes.

Para você quem tem pressa, poupe mais e invista na entrada!

Se você tem pressa em conseguir comprar o carro, então poupe parte de sua renda e invista o dinheiro.

Trabalhando com produtos de renda fixa com liquidez diária, as condições de conseguir construir um valor de entrada maior e mais rápido aumentam.

Dependendo das promoções, que eventualmente podem ocorrer, valores próximos dos 70% de entrada podem ser o suficiente para garantir um financiamento sem juros, com mais umas 12 parcelas (lógico tudo isso vai depender da sua renda e do valor do veículo).

Não adianta querer comprar um veículo que possui um preço de R$ 100.000,00, com uma renda de R$ 2.000,00 e ainda contar com um financiamento de R$ 30.000,00 para pagar em 12 meses. Isso não vai acontecer.

Até porque, mesmo se fosse sem juros, cada parcela seria de aproximadamente R$ 2.500,00! Valor acima da sua renda!

Observando isso, você deve se ater ao valor da sua renda. Em uma situação onde você quer um veículo de R$ 100.000,00, e ainda depende do financiamento, (porque não possui o valor total), vai ser bem complicado conseguir o financiamento.

De repente, será preciso aumentar a quantidade de parcelas, e assim, pagar algum juro. Ou, poupar ainda mais, para conseguir levantar o valor total e comprar o veículo de uma só vez!

Qual é a melhor alternativa?

A melhor alternativa depende das suas condições ou do que você quer. Se você quer comprar o carro de qualquer jeito, sem prestar atenção aos juros e demais despesas financeiras, então, você precisa procurar por uma forma de financiamento que se encaixe em sua renda.

Se você precisa de algo com juros menores, então tente de qualquer forma, juntar o máximo de dinheiro para conseguir dar uma entrada com valor alto.

Se você não quer contar com muitas parcelas, então será preciso contar com um bom valor de renda (será preciso analisar o valor da renda e do veículo), e ainda será preciso adiantar um bom valor na entrada.

Posso comprar um carro usado com a carta de crédito do consórcio?

Sim! Na verdade, tudo vai depender do seu consórcio. Existem consórcios que oferecem a liberdade ao cliente para negociar a aquisição. Assim o cliente pode decidir se vai pegar um carro novo, ou usado.

Por outro lado existem consórcios com o fim específico de adquirir até um determinado veículo, Por exemplo, consórcios oferecidos por concessionárias, onde o cliente pode traçar o objetivo de comprar certo modelo.

Também existem consórcios destinados a carros zero, ou carros seminovos, e usados. Enfim, existe consórcio para todos os gostos.

Como funciona a carta de crédito para carros usados?

Da mesma forma que funciona para aquisição de um veículo novo. O consórcio para carros usados, ou seminovos é uma das opções mais em conta (quando analisamos a possibilidade de parcelar o valor do veículo).

Sendo assim, o cliente não tem muitas opções. Ou faz o consórcio e tenta agilizar o processo realizando algum lance ou ganhando no sorteio.

A outra forma é por meio de um financiamento. Mas o financiamento de carros mais antigos é bem caro!

Ao analisa as duas situações, fica claro; o interessado, que quer comprar um carro, porém não possui o valor necessário para adquirir um veículo zero, provavelmente, vai recorrer aos usados.

Se mesmo assim, o valor ainda é alto, então será preciso recorrer a alguma linha de crédito. No caso, a mais em conta é o consórcio.

O consórcio sem juros!

Algumas instituições oferecem até, consórcios sem juros! Em minha opinião, o consórcio é uma ponte entre o “poupar” e o “financiamento”.

Como no consórcio, você acaba não recebendo o bem de forma direta, é preciso ser premiado ou fazer o lance vencedor para aí sim, conseguir a carta de crédito, esse dinheiro (dos aportes) acaba ficando na mão da instituição financeira.

Esse banco pode fazer a gestão financeira do capital até a premiação do cotista no consórcio. Por isso existem casos de consórcios sem juros.

Em grande parte é natural contar com consórcios que tenham alguma espécie de juro, ou cobrança de taxa administrativa.

Já os financiamentos, todos nós sabemos que cobram juros. A exceção são os financiamentos com juro zero.

Geralmente, esse tipo de financiamento é oferecido para os clientes que já contam com um valor de entrada maior, mais de 50% do valor do veículo, por exemplo.

Chance de conseguir o veículo a um juro justo!

Para aqueles que não contam com tanto dinheiro disponível, ou que gostariam de começar a guardar parte da renda para comprar um veículo, o consórcio é uma boa alternativa.

Sem dúvidas, a melhor forma de comprar um carro, ainda seria você mesmo poupando o seu dinheiro e investido os recursos.

Porém, nós sabemos que essa alternativa de poupar e investir, muitas vezes requer mais estudo e análise sobre as opções do mercado.

Observando isso, o consórcio surgiu como uma alternativa plausível para poupar de forma “forçada” e assim, conseguir recursos para comprar o veículo desejado.

Os carros novos são bem mais caros. Por exemplo, levantando os valores dos “populares”, encontramos os preços iniciais próximo dos R$ 35.000,00.

Dependendo do usado que você for escolher um bom veículo, pode ser encontrado por menos da metade desse valor, R$ 15.000,00, por exemplo.

Já que o salário mínimo ronda a casa dos R$ 954,00 (no momento em que esse artigo está sendo confeccionado) a possibilidade de conseguir comprar, até um carro usado, para boa parte da população é algo difícil (quase impossível).

Por isso, o consórcio pode ser sim, a ponte que faltava para conseguir alcançar o sonho do carro próprio.

Sem falar que a carta de crédito pode nem demorar tanto para chegar! Dependendo do lance do cliente e até da sorte do mesmo (em caso de ser sorteado), a carta de crédito pode vir bem rápida.

Caso as coisas melhorem para o cotista, de repente um emprego novo, com um salário maior, tendo a possibilidade de adquirir um veículo novo, zero, então o mesmo pode realizar o pagamento das parcelas remanescentes e assim, recuperar o valor da carta e crédito.

Talvez a única alternativa

Olhando com mais atenção para os financiamentos dos carros usados, talvez, a única alternativa de parcelar um carro usado é por meio do consórcio.

Quando mais antigo é o veículo que se deseja, mais difícil é de conseguir um financiamento. Tecnicamente, o financiamento vai ser liberado, a dificuldade está com relação aos juros cobrados.

Você acha justo pagar uma taxa de 4% ao mês, enquanto um carro novo possui uma taxa, que pode ser inferior aos 2%?

Pois é, isso pode acontecer. Então o consórcio é um instrumento que existe para dar condições a tais clientes, que não possuem tantos recursos para comprar um carro novo, e assim, pode adquirir o usado com mais facilidade. Através de um consórcio, a praticidade de aquisição fica ainda melhor!

Dependendo do valor e até da quantidade de parcelas do consórcio, o valor das parcelas pode ser bem pequeno. Desse modo o cliente fica ainda mais confortável e o orçamento não fica tão apertado!

Antes de fazer o consórcio, analise suas opções!

Averiguando as opções dos clientes, sugiro que o interessado procure por instituições financeiras que trabalhem com consórcios antes de optar por um em específico.

Existem vários tipos, e cada um com suas características. O melhor consórcio é aquele que possui taxas pequenas (ou sem taxas) e possa lhe oferecer condições de adquirir tanto um carro novo quanto usado (sem amarras).

O melhor mesmo era conseguir poupar parte da renda e assim, comprar o veículo a vista, porém, isso nem sempre acontece.

Portanto, procure por um bom financiamento. Veja a opção de fazer o mesmo em mais parcelas, como funciona a opção de realizar o lance e etc.

Tudo isso pode lhe ajudar a conseguir o tão sonhado carro! Para os jovens que estão comprando o primeiro carro, o consórcio definitivamente é uma excelente alternativa.

Ainda mais quando o salário pode não ser do melhor, próximo do mínimo. O consórcio em uma situação assim pode ser a única alternativa viável.

Como usar o crédito quando contemplado?

Um dos principais objetivos, que as pessoas têm em mente, quando vão atrás de um consórcio é ser contemplado.

Querendo ou não, o consórcio para muitos funciona como uma forma de crédito barato. Lógico, essa ideia só funciona, caso você seja contemplado.

Mesmo não sendo contemplado, no pior dos casos, você vai pagar o mesmo até conseguir liberar o valor referente ao consórcio.

Por exemplo, se o seu consórcio tem por finalidade conseguir uma carta de crédito de R$ 50.000,00, então será preciso pagar as parcelas ate conseguir liberar tal valor.

A liberação do valor do consórcio está condicionada aos seguintes eventos;

  • Ser sorteado e contemplado
  • Realizar o lance e consequentemente ganhar, sendo contemplado.
  • Ou fazendo os pagamentos mensais até o encerramento do consórcio, conseguindo a carta de crédito.

Mas então, o que fazer com a carta de crédito?

Tecnicamente, a carta de crédito fica condicionada a um determinado bem. Por exemplo, nesse artigo vamos dar uma atenção especial para os consórcios de veículos.

Sendo assim, é natural que ao ser contemplado em um consórcio para aquisição de um veículo, a carta de crédito seja liberada para esse fim.

Então, você não poderia dar a entrada em uma casa com o valor do consórcio, ou coisa do gênero, por exemplo.

Seria necessário respeitar a finalidade da carta de crédito. Caso você pague o consórcio até o final, então é provável que o dinheiro seja liberado para você, sem grandes problemas.

A situação é a seguinte; o interessado, que for fazer o consórcio deve avaliar as regras do consórcio antes mesmo de iniciar o mesmo.

Desse modo é possível analisar se é possível (mesmo sendo contemplado no meio do consórcio) utilizar os recursos da carta de crédito para outros fins.

Às vezes as pessoas iniciam os consórcios com um objetivo (nesse caso, vamos supor que seja a aquisição de um carro novo). Mas ao decorrer dos meses, esse objetivo pode sofrer alterações, de repente a pessoa tem a compra de uma casa, como um objetivo principal, agora.

Portanto, seria natural que os recursos oriundos de uma eventual contemplação, possam ser utilizados na aquisição de material de construção, na compra do terreno, e até na contratação de mão de obra.

Enfim, são várias as possibilidades, então antes de começar a pagar um plano de consórcio, veja quais são as suas opções!

Quero comprar o meu veículo!

Vamos supor que a pessoa mantenha o seu objetivo e portanto, queira utilizar os recursos conquistados para comprar o seu veículo, mas como fazer isso?

Com já mencionamos, a pessoa ao ser contemplada, a mesma recebe uma carta de crédito. Então não espere que um valor seja depositado em sua conta, ou quem sabe, você venha a receber uma maleta cheia de dinheiro, ou até um cheque.

O que você vai receber é uma carta de crédito. Essa carta não pode ser passada para terceiros, e está vinculada a você! Somente você.

Então, todo esse procedimento é bem seguro! Ao conseguir a carta de crédito, você poderá efetuar a sua compra em alguma concessionária do seu desejo.

Novamente, veja as especificações do seu consórcio antes de começar a pagar o mesmo. Vamos supor que você faça um consórcio com uma determinada concessionária de carros, é possível que a carta de crédito, possa ser vinculada a compra de um veículo da própria concessionária, não havendo chances de conseguir adquirir outro veículo, ou coisa do gênero.

Isso pode acontecer, uma vez que esse consórcio em específico pode contar com descontos no juro, ou quem sabe pode ser até isento de taxas administrativas.

Coisa que acaba atraindo boa parte das pessoas que estão à procura de um consórcio. Lembrando que se o cliente não tem mais a intenção de utilizar o crédito para o fim específico, é possível pagar o valor do consórcio, quitando o mesmo, e assim liberando o valor do prêmio.

Carros usados? Será que posso comprar com a carta de crédito?

Depende. Tudo vai depender das regras do se consórcio em específico. Caso o seu consórcio ofereça a possibilidade de usar a carta de crédito para outros veículos, dentre eles, os usados, então tudo bem, você poderá utilizar a carta para fazer a aquisição do veículo que bem entender.

Porém, se essa especificação não estiver descrita no consórcio, ou, se houver algum restrição referente aos tipos e condições dos veículos, então, você não terá como utilizar a carta de crédito.

De qualquer forma, quando as parcelas do consórcio terminarem, é bem provável que o valor da carta de crédito seja liberado para você fazer o que bem entender. Lembrando que você pode quitar o consórcio, para conseguir liberar os valores.

É fácil utilizar a carta de crédito?

Sim, é bem simples! A carta de crédito vai estar vinculada a sua pessoa, portanto não existem formas de conseguir transferir o seu valor para terceiros.

O que você poderá fazer é utilizar a carta para adquirir o bem, ou de repente, na compra de outro bem, ou serviço, enfim, o que estiver pré-determinado em seu consórcio.

Sendo assim, ao receber a carta de crédito, você vai precisar ir até a concessionária que deseja, e realizar a compra do bem.

Veículo de valor inferior!

Mas e se o veículo que pretendo comprar possui um valor inferior ao valor da carta? O que faço? Pode comprar!

Sem problemas! A aquisição pode ser feita, sendo que o valor remanescente do consórcio pode ser utilizado de várias formas.

Desde o pagamento de impostos e taxas, até o emplacamento, e serviços de manutenção do veículo podem ser pagos por meio do valor restante da carta.

Portanto você não precisa se preocupar com um veículo de valor menor, os recursos remanescentes da sua carta de crédito podem ser utilizados para cobrir outras despesas.

Utilizar o consórcio como um investimento é uma boa?

Não, acredito que não. A menos que a pessoa não consiga guardar parte de seus recursos mensalmente. Observando isso, aí sim, o consórcio pode ser uma boa.

Lembrando que em boa parte dos planos, as pessoas que participam acabam pagando taxas, ou parte do valor é utilizado para pagar despesas administrativas e coisas do gênero.

Portanto, se for para investir, ou guardar parte de seus recursos, o melhor mesmo, seria investir em ativos financeiros como o tesouro Direto, por exemplo.

Carta de crédito o que é e como funciona?

Fui contemplado no consórcio! Que maravilha! Mas e agora? O que acontece? Como vou conseguir o dinheiro referente ao prêmio?

Vamos lá! Uma pergunta por vez! Mas então, o que acontece quando se é contemplado? Ao ser contemplado, o cliente do consórcio vai receber o valor referente ao prêmio.

Bom, vamos supor que nesse caso, o cliente tenha aderido a um consórcio para a compra de uma casa.

Essa casa possui o valor de R$ 150.000,00. Então, antes do término desse consórcio (parcelas) o cliente acabou sendo sorteado e acabou recebendo o valor de R$ 150.000,00! Esse valor vem através de depósito bancário? Ou será que eu preciso ir até o banco tirar essa quantia em dinheiro?

Não! Você vai receber a carta de crédito! Por meio desta carta de crédito será possível utilizar o valor do consórcio na aquisição da tão sonhada casa.

Se o seu consórcio contar com regras pouco restritivas sobre a carta de crédito, seria possível, até, utilizar os valores com outras coisas.

Mas tecnicamente, o valor da carta de crédito acaba ficando condicionado ao fim proposto no consórcio, que nesse caso é a compra da casa.

Resumindo; a carta de crédito nada mais é do que o valor do prêmio do seu consórcio. Ao invés de receber o valor por meio de um depósito, ou uma transferência bancário,  você contará com essa carta de crédito.

É seguro?

É sim! A carta de crédito é bem segura. O documento possui relação direta com o cliente do consórcio, portanto não existe uma forma de alguém se passar por você e conseguir acessar os valores referentes à carta de crédito.

Portanto, pode ficar tranquilo! A carta de crédito e sua, e somente você poderá usufruir a mesma!

Coisas como; pedir para um segundo utilizar os créditos, ou passar para um terceiro não será possível. Somente você, beneficiário do consórcio, poderá acessar a carta de crédito.

Mas como funciona? Qualquer empresa, loja, vai aceitar a carta?

Sim, a carta de crédito é um documento que concede a você um determinado crédito, sendo que a empresa que vai lhe vender o carro, ou determinado bem, vai fazer a captação dos recursos junto à instituição financeira.

Teoricamente, qualquer empresa pode receber a carta de crédito e dar continuidade ao processo, porém, você precisa analisar as regras do seu consórcio.

Por exemplo; vamos supor que você esteja interessado em comprar um veículo, porém, não possui o valor total agora, e não quer contrair uma dívida por meio do financiamento convencional, então uma das opções seria o consórcio.

Procurando por um consórcio, você achou um oferecido por uma determinada concessionária. Porém, esse consórcio em específico libera o valor para comprar um veículo da mesma concessionária, ao menos, da mesma marca de carro.

Nesse exemplo, você não poderia utilizar a carta de crédito, para comprar um veículo de outra marca, compreende?

Então o negócio é ficar atento às regras do consórcio. Dê preferência para consórcios que tenham regras menos rigorosas, principalmente no que tange a utilização da carta de crédito.

Como ganhar a carta de crédito?

Ou você aguarda ser premiado, ou, simplesmente, você pode fazer um lance. A forma mais interessante é por meio da premiação.

A maioria dos consórcios trabalha com sorteios. Esses sorteios servem para premiar os participantes. Então, ao entrar em um consórcio, você automaticamente vai participar desses sorteios.

Então, tecnicamente, é só esperar ser sorteado, Porém, caso você esteja com mais pressa, precisando da carta de crédito o quanto antes, então, o melhor seria fazer um lance.

Todos os meses (ou em períodos específico) os consórcios liberam os participantes para fazerem lances.

Quem fizer o lance mais alto, acaba ganhando a carta de crédito. Portanto, o lance consiste em realizar um aporte em seu consórcio.

Vamos supor que você fez um aporte de R$ 5.000,00, e mais ninguém fez, ou os outros participantes acabaram fazendo, porém com valores menores, então, você acaba ganhando a carta de crédito!

Dentre todas as formas de ganhará carta de crédito, fazer o lance é a mais rápida.

Todos deveriam fazer algum consórcio?

Não, o negócio também não é assim. O consórcio possui suas vantagens dentre elas temos o juro e despesas baixas, e a possibilidade de conseguir comprar o bem desejado antes do tempo (antes do fim do consórcio).

Bom, comparado o consórcio com outras linhas de crédito, podemos ver algumas semelhanças e certas diferenças.

Com relação às semelhanças, temos a questão do crédito. Caso o cliente seja sorteado antes, conseguindo colocar as mãos na carta de crédito antes do encerramento do consórcio, o mesmo estará no lugar de uma pessoa que pegou um financiamento.

Porém, ao invés de pagar altos juros e encargos você poderá desfrutar de uma situação muito mais benéfica.

Existem consórcios que inclusive, nem chegam a cobrar juro sobre as parcelas. Então, em uma eventual premiação o cliente pode conseguir os valores necessários para aquisição do bem, e ainda nem precisar desembolsar com juros.

Lembrando que para conseguir acesso aos valores do consórcio, você terá que ser premiado, ou fazer o maior lance.

Então para que seria mais recomendável fazer o consórcio?

Para aqueles que não conseguem guardar e investir parte de sua renda. Essas pessoas que não possuem controle financeiro, e não consegue poupar parte da renda, essas pessoas devem procurar por produtos financeiros que possam gerar alguma espécie de controle e até poupança.

O consórcio, de certo modo, reduz o trabalho do cliente. Desse modo o cliente pode contratar o consórcio e realizar os pagamentos, deixando a instituição administrar o consórcio, fazendo a gestão dos ativos e fins.

Depois, se o cliente não estiver mais interessado em comprar o bem objeto do consórcio, faça os pagamentos das parcelas remanescentes, e assim, após a quitação do consórcio, é provável que o crédito liberado fique disponível para você fazer o que quiser.

A melhor alternativa é realizar a compra do bem com recursos próprios, sem depender de terceiros.

Preservando parte de suas receitas, ou com o seu salário. Assim, você conseguirá iniciar os seus investimentos sem grandes problemas.

Empréstimo pessoal do banco Bradesco é bom?

E quem não está precisando dar uma folga no orçamento no final do mês? Seja para pagar dívidas, realizar sonhos ou finalmente poder reformar a nossa casa.

O empréstimo pessoal é uma opção para tudo isso, muitas pessoas ainda veem o empréstimo pessoal como um vilão, mas a verdade é que se bem pensando ele pode verdadeiramente fazer toda a diferença em sua vida.

Mas claro, é preciso ter muito cuidado na hora de contratar um empréstimo pessoal, uma das coisas que você deve fazer antes da contratação é verificar todas as condições, e também as taxas de juros que envolve todo o processo! Nunca feche com nenhum instituição antes de comparar diversos valores e preços.

Entre todas as opções do mercado temos o Banco Bradesco, que apresenta uma das taxas de juros mais baixas do mercado! por isso se mostra a solução de crédito ideal. Você vai conhecer mais sobre esse empréstimo em nosso artigo de hoje.

Como posso contratar o empréstimo pessoal do Bradesco?

A primeira dúvida que muitas pessoas tem é em relação a contratar o empréstimo pessoal do Banco Bradesco. No site oficial você pode encontrar muitas informações, além de todas as opções que o banco oferece de crédito.

Porém, eles sempre indicam para que conhecer melhor as condições, e também efetuar o pedido de crédito, tudo deve ser feito de forma presencial em uma agência bancária.

Além disso é possível encontrar dentro do site uma opção de crédito pessoal online, perfeita para quem deseja obter dinheiro sem sair de casa, porém, o valor é limitado a R$ 1.000,00.

Portanto, se você está pensando em contratar uma quantia baixa pode ser uma boa saída, do contrário, não.

Qual a taxa de juros que o banco Bradesco oferece como empréstimo pessoal?

 Uma coisa que é muito importante analisar antes de fechar um empréstimo pessoal é a questão do juros! Segundo dados do Banco Central, os juros do banco Bradesco é entre 6,16% ao mês, considerado uma boa taxa em relação ao mercado.

Lembrando ainda que para solicitar o crédito é necessário ter uma conta ativa no banco Bradesco, além de ter 18 anos.

Em quanto tempo o dinheiro do crédito pessoal Bradesco está na minha conta?

Essa também é uma preocupação que você deve ter na hora de pedir um empréstimo pessoal! No caso do Banco Bradesco quando o empréstimo é aprovado ele é liberado de forma imediata na conta do cliente, algumas instituições demoram dias para liberar o dinheiro.

Por isso nesse quesito o banco Bradesco se mostra muito vantajoso.

Parcelas do crédito pessoal Bradesco

 Outra coisa que você deve observar antes de contratar um crédito pessoal é a questão das parcelas! É muito importante que o valor caiba no seu bolso, e o prazo seja interessante para você.

No caso do Banco Bradesco tudo isso vai depender do valor, mas pode chegar há apenas R$ 20,00 por mês a parcela de um empréstimo pessoal! Sem contar que o correntista tem até 40 meses para pagar.

O pagamento pode ser feito via débito automático em conta corrente. A primeira cobrança do empréstimo pessoal pode acontecer entre 15 e 59 dias, e a antecipação da parcela pode ser feita, ou mesmo o pagamento total se essa for a vontade do cliente.

Tipos de empréstimo do Banco Bradesco

O banco Bradesco vai oferecer opções de empréstimo pessoal para pessoa física, para universitário e para aposentado! Cada empréstimo tem a sua particularidade de acordo com cada perfil.

E para quem não é correntista do Banco Bradesco?

Se você não tiver uma conta corrente ativa no Banco Bradesco não vai conseguir proceder o seu empréstimo! Por isso deve abrir uma conta primeiro, o processo de abertura é bem fácil e rápido.

Quais as vantagens de contratar o crédito pessoal Bradesco?

Ao longo do artigo colocamos algumas vantagens, mas achamos interessante destacar e explicar melhor cada uma delas.

  • Dinheiro rápido: Uma das principais vantagens do banco Bradesco é o dinheiro de forma rápida e fácil, quando aprovado você não vai precisar esperar dias para a liberação do dinheiro! Isso é uma grande vantagem para quem está precisando do valor com certa urgência;
  • Parcelamento flexível: Um ponto positivo de qualquer empréstimo é a instituição oferecer parcelamento flexível, e isso acontece no Banco Bradesco. Você pode escolher a data de pagamento da primeira parcela em até 60 dias depois do crédito estar em sua conta! Inclusive essa data pode ser o dia que você recebe o salario, por exemplo.
  • Débito em conta: Outra vantagem é o débito em conta! Dessa forma você não tem chances de utilizar o dinheiro da parcela para outra coisa, por exemplo, e ela fica sempre em dia.

Afinal, empréstimo pessoal do banco Bradesco é bom?

 Como podemos ver ao longo do artigo o Banco Bradesco se torna uma boa opção para você conhecer melhor taxas e condições para o seu empréstimo! Para saber mais o ideal é acessar o site oficial do Banco Bradesco ou ir até uma agência mais próxima de você.

Lembre – se que antes de contratar um empréstimo pessoal você deve garantir que tem condições de pagar as parcelas. Não pagar um empréstimo pode trazer consequências ruins para o seu nome no mercado, além das taxas de juros.

E se você gostou de saber mais sobre o empréstimo pessoal do Bradesco, continue em nosso site e confira muito mais.

Empréstimo pessoal do banco Santander é bom?

O empréstimo tem sido uma das opções que milhares de brasileiros encontraram para colocar suas dívidas em dia, e finalmente desfrutar de algo mais tranquilo, ou mesmo para realizar aqueles sonhos que pareciam tão distantes.

Por muito tempo o empréstimo pessoal era visto como algo ruim, que afundaria famílias, ou coisas do tipo! Mas hoje, cada vez mais essa ideia cai por terra.

Em muitas situações, inclusive, o empréstimo é a escolha mais inteligente para quem deseja quitar dívidas e eliminar juros, por exemplo.

Mas claro que deve ser uma escolha bem pensada, não é saudável contratar um crédito pessoal sem analisar se vai ter condições de o pagar em dia! Assim como não é inteligente fechar um empréstimo pessoal na primeira instituição.

Quando você pesquisa diversas instituições que oferecem empréstimos vai estar garantindo as melhores taxas e também as melhores condições de pagamento, e isso gera economia e também mais comodidade para você.

Por isso pesquise entre as várias instituições aquela que oferece as melhores taxas e condições para você.

Dentro da sua pesquisa o emprestimo Santander deve estar presente, já que é uma instituição confiável e que atua há anos dentro do mercado. Para te ajudar em todo esse processo, o artigo de hoje trouxe informações sobre o empréstimo pessoal do banco Santander, confira.

Características do crédito pessoal Banco Santander

 Para começar vamos apresentar as vantagens que você pode ter ao contratar o crédito pessoal do Banco Santander, entre elas temos:

  • Empréstimo personalizado: Com certeza essa é uma das grandes vantagens, afinal, uma instituição que não se mostra flexível quanto as particularidades de cada cliente não é tão boa assim!

No caso do Santander o empréstimo vai sempre visar as melhores condições para você, inclusive você que vai escolher a melhor data para pagar a parcela do seu empréstimo;

  • Prático: Muitas pessoas pedem o empréstimo para resolucionar situações de emergência, e muitos bancos depois da análise demoram alguns dias para liberar o dinheiro em conta corrente!

Isso não vai acontecer no Santander, onde é possível ter o dinheiro liberado na hora, diretamente em sua conta corrente;

  • Flexível: Muitos bancos cobram já a primeira parcela, e nem sempre a pessoa tem esse dinheiro disponível!

O banco Santander pensando nessas situações proporciona uma primeira parcela mais flexível, você pode pegar o dinheiro hoje, e só o pagar depois de 59 dias, por exemplo! Dessa forma dá um tempo a mais para ir ajeitando as coisas;

  • Prazo de pagamento: O prazo de pagamento é outra coisa que você deve verificar muito bem com o banco que pretende contratar o empréstimo pessoal, no caso do Santander é possível parcelar em até 60 meses, dessa forma, você tem um prazo maior para devolver ao banco o dinheiro;
  • Seguro: O seguro não é obrigatório, o que já é uma vantagem, alguns bancos só liberam o empréstimo mediante a um seguro! Por aqui isso não acontece, mas é recomendado!

Contratando o seguro de proteção cobertura premiado do Santander você vai garantir o pagamento do seu empréstimo caso imprevistos aconteçam! Além disso você vai concorrer a prêmios de dinheiro todos os meses, quer coisa melhor?

Condições de contratação

Antes de contratar o seu crédito pessoal você deve saber sobre todas as condições de contratação que o banco oferece.

No caso do Santander você pode contratar por diversos canais, como aplicativo, internet banking, central de auto atendimento, caixa eletrônico ou mesmo na agência.

O que muda dentro de tudo isso são as condições de valores! Por exemplo, se você deseja contratar um valor maior provavelmente vai precisar fazer todo o processo dentro de uma agência.

Já se o valor contratado for menor, é possível fazer via internet, sem sair da sua casa e sem burocracia.

A contratação pela internet ou canais mais rápidos trabalham com limites pré aprovados, ou seja, o banco já analisou sua situação anterior para te proporcionar esse crédito.

Para quem quiser contratar fora dos canais de auto – atendimento e da internet, é necessário ser correntista do banco Santander, ser maior de 18 anos, e mostrar documentos de identidade, endereço, e também renda.

Todo banco vai analisar se o seu salario permite que você pague um empréstimo todo mês.

Juros

E assim como todo empréstimo o do banco Santander também apresenta juros! O valor do juros vai depender do montante e do prazo contratado, por isso você deve fazer uma simulação para saber sobre esses valores.

O que é cobrado pelo banco Santander é IOF, e o CET que se trata do custo efetivo total e da taxa anual referente aos juros do seu empréstimo.

Lembrando ainda que o prazo máximo do banco Santander é de 60 meses, e o prazo mínimo é de 2 meses.

Afinal, empréstimo pessoal do banco Santander é bom?

Sim, o Santander apresenta boas condições para o cliente realizar o empréstimo! Isso pode ser visto na flexibilidade que o banco tem pensando no perfil de cada cliente.

Devemos ainda ressaltar que o crédito deve ser utilizado com consciência, e antes da contratação é importante se certificar das suas reais condições para assumir uma nova dívida.

Para saber mais informações sobre o crédito pessoal Santander você pode acessar ao site, ou ir pessoalmente até a agência mais próxima!

E se você gostou de conferir o tema de hoje continue em nosso site e confira muito mais.